R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Internacional/Notícias

Icone de Internacional Internacional

publicado em 21/05/2010 às 17h46:

Obama disse em carta a Lula que
acordo com Irã criaria confiança

Presidente dos EUA apoiou iniciativa turco-brasileira 15 dias antes de assinatura do pacto

Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse em uma carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que o acerto de troca de combustível nuclear com o Irã criaria confiança no mundo. Os trechos do documento, enviado há 15 dias a Brasília, antes do acordo em Teerã, foram obtidos pela agência Reuters nesta sexta-feira (20).

Fontes do Planalto confirmaram ao R7 o recebimento da carta.

O Brasil, que mediou com a Turquia o acordo com o Irã, alega que a carta de Obama inspirou a maioria dos pontos da Declaração de Teerã, por meio da qual a República Islâmica do Irã concorda em depositar 1.200 kg de urânio levemente enriquecido na Turquia. Em troca, o país receberia 120 kg de combustível para um reator de pesquisas médicas localizado na capital iraniana.

Obama diz que Irã mostra abertura ao Brasil

A Reuters teve acesso a trechos da correspondência - enviada a Lula há cerca de duas semanas - e comparou alguns de seus pontos com o acordo assinado na última segunda-feira (17).

Nela, Obama retoma os termos do acordo que o sexteto (EUA, Reino Unido, França, Rússia, China e Alemanha) havia proposto no ano passado, cujos principais elementos constam no acerto entre Brasil, Turquia e Irã.

"Do nosso ponto de vista, uma decisão do Irã de enviar 1.200 kg de urânio de baixo enriquecimento para fora do país geraria confiança e diminuiria as tensões regionais por meio da redução do estoque iraniano" de LEU (urânio levemente enriquecido na sigla em inglês), escreve Obama, segundo trechos obtidos da carta.

Após o anúncio do acordo, no entanto, os Estados Unidos anunciaram que os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (EUA, Reino Unido, França, China e Rússia) concordaram com um esboço de resolução contendo novas sanções à República Islâmica.

"Nós observamos o Irã dar sinais de flexibilidade ao senhor e outros, mas, formalmente, reiterar uma posição inaceitável pelos canais oficiais da AIEA [Agência Internacional de Energia Atômica]", acrescentou o presidente dos EUA.

Obama teme construção de bomba pelo Irã

O documento assinado na última segunda-feira coloca que o Irã se compromete a notificar à AIEA, por escrito, por meio dos canais oficiais, sua concordância com os termos do acordo em até sete dias a contar da data do documento. Esse prazo se expira na próxima segunda-feira (24).

"O Irã continua a rejeitar a proposta da AIEA e insiste em reter seu urânio de baixo enriquecimento em seu próprio território até a entrega do combustível nuclear", afirmou Obama na carta.

Segundo a Declaração de Teerã, "a República Islâmica do Irã expressa estar pronta a depositar seu LEU dentro de um mês".

Obama manifestava, ainda na carta, preocupação com a possibilidade de o Irã acumular, no prazo de um ano, estoque necessário para construir "duas ou três armas nucleares".

"Para iniciar um processo diplomático construtivo, o Irã precisa transmitir à AIEA um compromisso construtivo de engajamento, através dos canais oficiais, algo que não foi feito até o momento. No meio tempo, insistiremos na aprovação de sanções."

EUA dissera que o Irã teria manipulado Brasil e Turquia

A Declaração de Teerã deixa claro, ainda, que o acordo para a "troca de combustível nuclear é um ponto de partida para o começo da cooperação e um passo positivo e construtivo entre as nações".

Após o anúncio do acordo mediado por Brasil e Turquia na segunda-feira, autoridades iranianas afirmaram que o país manterá suas atividades de enriquecimento de urânio, ao que EUA e outras potências ocidentais se opõem.

Os EUA, França, Reino Unido e outros países acreditam que o programa nuclear iraniano tem o objetivo de construir armas nucleares, mas Teerã afirma que seu fim é a geração de eletricidade para fins pacíficos.

Autoridades dos EUA disseram que o Irã teria manipulado Brasil e Turquia com o objetivo de ganhar tempo e adiar a imposição de novas sanções.

 

 

Veja Relacionados:  obama, lula, aiea, acordo
obama  lula  aiea  acordo 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping