R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Internacional/Notícias

Icone de Internacional Internacional

Arte/R7
publicado em 28/02/2010 às 20h15: atualizado em: 28/02/2010 às 21h19

Tremor no Chile foi 900 vezes mais forte que no Haiti

Localização do epicentro e infraestrutura contribuíram para minimizar a tragédia

Giselli Souza e Clayton Freitas, do R7

O terremoto que atingiu o Chile neste sábado (27), de 8,8 graus na escala Richter, foi 900 vezes mais forte que o registrado no Haiti, de sete graus, em 12 de janeiro deste ano, segundo estimativa de Jorge Sand, chefe do observatório sismológico da Universidade de Brasília.

A localização do epicentro, termo que determina a localização da intensidade máxima do abalo, e a infraestrutura do Chile foram determinantes para que o número de mortos fosse menos de 0,5% do que o registrado no Haiti. Segundo estimativas do governo do Chile, cerca de 700 pessoas morreram vítimas do terremoto, contra mais de 210 mil no Haiti.


O técnico do laboratório de sismologia da UnB (Universidade de Brasília), Umberto José Travaglia Filho, explica que a escala Richter é logarítmica. Isso significa que existem diferenças entre a energia liberada da movimentação de terra de um nível 7, como no caso do Haiti, e 8,8, como ocorreu no Chile.

Em média, cada número inteiro a mais significa que a energia liberada pelos movimentos da terra foi 31 vezes maior que o índice anterior – de dois para três, por exemplo, há 31 vezes mais energia liberada. Como a função é logarítmica, significa que a base, ou seja, o número inicial de pelo menos 31, é multiplicado por ele mesmo. É por isso que é correto dizer que se chega a uma liberação de energia 900 vezes superior no Chile se comparado ao que ocorreu no Haiti.

- No Chile, houve uma destruição maior na infraestrutura urbana, com a destruição de pontes em vilarejos próximos ao epicentro. No Haiti, a destruição foi em Porto Príncipe, capital do país, em especial nos prédios, casas e igrejas, que nunca tinham visto um abalo semelhante. Se o terremoto tivesse ocorrido em Santiago [capital do Chile] a devastação teria sido maior, talvez próxima ao do Haiti.

No Chile, o terremoto  teve o epicentro na região chilena de Maule, no oceano Pacífico, a cerca de 115 km da cidade Concepción, a cerca de 300 km da capital Santiago, com 35 km de profundidade.  No Haiti, o epicentro ocorreu a 25 km a sudoeste da capital Porto Príncipe e com 13 km de profundidade.

Para se ter uma ideia da destruição, o impacto do terremoto no Chile equivaleu a 27 mil vezes a bomba de Hiroshima, que devastou a cidade japonesa no final da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

Apesar da energia de um terremoto ser superior a de uma bomba atômica, o estrago é menor devido a profundidade, segundo João Carlos Dourado, professor de geofísica da Unesp (Universidade de São Paulo). Ele explica que se o terremoto no Chile fosse mais próximo à superfície, como no caso do Haiti, o desastre seria maior.

- Apesar de serem capitais diferentes, com infraestruturas diferentes, ninguém constrói um prédio esperando um terremoto de quase nove graus [na escala Richter]. O que determina o número de vítimas é a estrutura que um país possui para enfrentar essa tragédia.

Há 50 anos, o Chile sofreu o maior terremoto já medido na história, de 9,5 graus na escala Richter, que matou mais de 1.400 pessoas no país. Na ocasião, um tsunami gerado pelo tremor matou ainda 138 pessoas no Japão, 61 no Havaí e deixou 32 mortos e desaparecidos nas Filipinas, segundo informações do Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Desde então, o país se preparou para a ocorrência de tremores, com investimentos voltados à construção de edificações preparadas para terremotos. O custo para esse tipo de estrutura, no entanto, é seis vezes superior ao de uma edificação normal, segundo estimativa do observatório sismológico de Brasília.

Com isso, o custo de reconstrução do Chile pode chegar ao mesmo patamar do observado no Haiti que chegou a cerca de  R$ 25 bilhões (US$ 14 bilhões). Dados divulgados mais cedo pela empresa americana EQECAT, especializada em estimativas de risco, apontou que os danos do terremoto no Chile podem comprometer entre 10% a 15% do PIB (soma das riquezas do país).

compara_materia


Veja Relacionados:  terremoto,chile,haiti
terremoto  chile  haiti 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping