Internacional

10/4/2013 às 15h26 (Atualizado em 10/4/2013 às 16h07)

Para EUA, Coreia do Norte está perto de "linha perigosa"

Secretário de Defesa Chuck Hagel declarou que os Estados Unidos têm capacidade de defender seus cidadãos e aliados de qualquer ação

Reuters

Norte-coreanos participam de juramento em Pyongyang ante as estátuas dos fundadores do país: Kim Il-sung e Kim Jong-il 10.04.2013/Divulgação/KCNA/Reuters

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, disse nesta quarta-feira (10) que a Coreia do Norte está chegando perto de uma "linha perigosa" com suas ameaças quase diárias contra os EUA e a Coreia do Sul.

"A Coreia do Norte está, com sua retórica belicosa, sua ação... chegando muito perto de uma linha perigosa", disse Hagel em entrevista coletiva no Pentágono para discutir o orçamento do departamento em 2014.

— Suas ações e palavras não ajudam a acalmar uma situação inflamável.

Perguntado se os cidadãos norte-americanos devem ficar preocupados com as ameaças, Hagel disse que os Estados Unidos têm capacidade de defender seus cidadãos e de seus aliados de qualquer ação que a Coreia do Norte possa tomar.

EUA e Coreia do Sul elevam nível de alerta diante de ameaças da Coreia do Norte

China impede ingresso de turistas na Coreia do Norte

Coreia do Norte ameaça atacar as principais cidades japonesas em caso de conflito

A península coreana está teoricamente em conflito desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953), já que um tratado de paz nunca foi assinado entre Norte e Sul, apenas um armistício de não agressão.

A situação começou a se agravar em 2006, quando o Norte realizou seu primeiro teste nuclear. De lá para cá foram mais dois exercícios militares desse tipo — o último deles e mais forte em 12 de fevereiro passado.

Após o teste, o Conselho de Segurança da ONU aprovou novas sanções econômicas contra a Coreia do Norte, que respondeu levantando o acordo de não agressão e anunciando o estado de guerra. As medidas então levaram a uma escalada militar na região.

Hoje, a Coreia do Norte ameaçou transformar o Japão em um "campo de batalha", com possíveis ataques a suas principais cidades, entre elas Tóquio, Osaka e Kyoto, caso os japoneses produzam movimentos que provoquem o início de um conflito armado.

Em um editorial publicado pelo jornal Rodong Sinmundo, pertencente ao partido único norte-coreano, o regime também ameaça causar a "destruição" do Japão se esse país agir politicamente contra a Coreia do Norte, em um momento de elevada tensão na península pelas contínuas ameaças bélicas norte-coreanas.

Também hoje, Coreia do Sul e Estados Unidos elevaram o nível de alerta ante a "ameaça vital" representada pela Coreia do Norte, que estaria a ponto de executar um ou vários lançamentos de mísseis, com a aproximação do aniversário da data de nascimento do fundador do país, 15 de abril.  

O comando integrado das forças americanas e sul-coreanas alterou de 3 para 2 o nível de alerta — o nível 1 é sinônimo de guerra, o 4 equivale a tempos de paz — ao alegar uma "ameaça vital", informou uma fonte militar à agência sul-coreana Yonhap.  

Um lançamento de míssil pode acontecer a "qualquer momento a partir de agora", afirmou o ministro sul-coreano das Relações Exteriores, Yun Byung-se, no Parlamento. Ele advertiu Pyongyang que tal ato provocaria novas sanções da ONU.

Ultimato fracassado

Esta quarta-feira foi o dia limite sugerido por Pyongyang para que as embaixadas estrangeiras deixem o país, já que a segurança local ficaria comprometida.

Na semana passada, a Coreia do Norte alertou que não poderia garantir a segurança das missões diplomáticas em Pyongyang a partir de 10 de abril em caso de conflito. 

Jovem ditador norte-coreano seria apenas marionete de seu tio? Conheça o poderoso Jang Song-thaek

Vida excêntrica: conheça os exageros do líder norte-coreano Kim Jong-un

Apesar dos alertas, nenhuma representação diplomática decidiu abandonar o país. A União Europeia confirmou hoje que não irá evacuar suas missões diplomáticas em Pyongyang, apesar da crescente tensão na região, segundo um porta-voz.  

"Apesar das tensões atuais, que a Coreia do Norte tenta deliberadamente aumentar através de uma retórica agressiva, acreditamos que a situação no país não justifica a evacuação ou relocação das missões diplomáticas dos Estados-membros da União Europeia" na Coreia do Norte ou na Coreia do Sul, declarou um porta-voz da representante da União Europeia para a política externa, Catherine Ashton.  

A União Europeia reiterou nesta quarta às autoridades norte-coreanas que, sob as Convenções de Viena, o país tem "obrigação contínua e em todas as circunstâncias de proteger as missões diplomáticas e cidadãos da União Europeia".

As missões diplomáticas da União Europeia em Pyongyang, Seul e Pequim "permanecem em estreito contato e coordenação".

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Verde-amarelo contagiante

Bandeiras e camisetas do Brasil se espalham pelo mundo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Fé proibida

Conheça os países com maiores índices de perseguição religiosa

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!