Petróleo do Estado Islâmico está indo para Assad, diz autoridade dos EUA

Enquanto os dois lados lutam por controle de território, negociam produção no país

Parte do petróleo sírio é consumido pelo grupo terrorista
Parte do petróleo sírio é consumido pelo grupo terrorista Agência Estado/AP

Militantes do Estado Islâmico se dedicam a um comércio de petróleo cujo valor pode chegar a até 40 milhões de dólares por mês, com volumes significativos vendidos para o governo do presidente da Síria, Bashar al-Assad, e parte do produto chega a cruzar a fronteira e a entrar na Turquia, disse Adam Szubin, autoridade do Tesouro norte-americano.

"O Estado Islâmico está vendendo uma grande parte do petróleo para o regime de Assad", afirmou Szubin, subsecretário para Terrorismo e Inteligência Financeira do Tesouro dos Estados Unidos, na Chatam House, em Londres, nesta quinta-feira.

"Os dois estão tentando matar um ao outro, e eles ainda estão engajados num comércio de milhões e milhões de dólares."

"Os volumes sobre os quais estamos falando e a quantidade de dinheiro que nós estamos falando são bem razoáveis", declarou Szubin.

Ele disse que "de longe a maior quantidade" de petróleo do Estado Islâmico termina sob o controle de Assad, enquanto outra parte é consumida internamente em áreas controladas pelo grupo, e outra parte vai para regiões curdas e a Turquia.

"Parte está cruzando a fronteira para a Turquia", afirmou ele.

Rebeldes sírios poupam vidas de membros do Estado Islâmico para provar que “muçulmanos não são maus”

Militantes do Estado Islâmico têm levantado mais de 500 milhões de dólares no mercado negro de petróleo e saquearam até 1 bilhão de dólares de bancos na Síria e no Iraque, declarou ele, em declarações preparadas.

Conheça o R7 Play e assista a todos os programas da Record na íntegra!