Trump critica ódio de supremacistas brancos e antirracistas

Presidente afirmou que há "ódio e fanatismo" em "muitos lados"

Presidente Trump afirmou que os americanos devem voltar a se unir
Presidente Trump afirmou que os americanos devem voltar a se unir REUTERS/Jonathan Ernst

O presidente norte-americano Donald Trump lamentou as cenas de violência registradas na tarde deste sábado (12) em Charlottesville, Estado da Virgina, onde uma pessoa morreu durante um confronto entre os supremacistas brancos (manifestantes que pregam a superioridade dos brancos) e grupos antifascistas (que defendem as populações de negros, gays, imigrantes, entre outras). Para Trump, o ódio e o fanatismo estão dos dois lados.

— Condenamos de forma veemente esta exibição flagrante de ódio, fanatismo e violência de muitos lados, muitos lados, que acontece há muito tempo em nosso país.

Na noite de sexta-feira, centenas de homens e mulheres carregando tochas fizeram uma vigília em Charlottesville gritando palavras de ordem contra negros, imigrantes, homossexuais e judeus. A cidade seria palco hoje do evento "Unir a Direita", que deveria reunir mais de mil participantes, incluindo os principais líderes de grupos associados à extrema direita no país, para protestar contra a retirada de uma estátua de um general confederado — o objeto é criticado por glorificar a era da escravidão no país.

Antes do evento, no entanto, um grupo de manifestantes antirracistas realizou um contra-protesto, entrando em confronto em seguida com os supremacistas brancos.

Em meio à briga generalizada, um carro em alta velocidade entrou na confusão e se chocou contra outros dois carros, deixando várias pessoas feridas. Uma pessoa morreu.

Trump afirmou que o que aconteceu em Charlottesville é "muito triste". Ele condenou a violência "de todos os lados", e em nenhum momento citou o ódio dos manifestantes contra gays, negros e imigrantes.

— Eu acabo de conversar com o governador da Virginia e mós concordamos que o ódio e a divisão devem parar, e devem parar agora. (...) Nós devemos nos lembrar, independentemente de nossa cor e partido politico, nós somos americanos em primeiro lugar. Nós amamos nossa bandeira, nosso povo. Nós devemos amar e respeitar uns aos outros. Os cidadãos devem restaurar os vínculos de lealdade.