Trump teria revelado informação de espiã da Jordânia à Rússia

Caso provocou crise no governo dos EUA; revelação teria colocado em risco a vida da espiã

Trump teria dado informações recebidas de uma espiã jordaniana
Trump teria dado informações recebidas de uma espiã jordaniana Reuters

O caso da revelação de uma informação altamente confidencial pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a membros do governo russo teve mais um capítulo nesta quinta-feira (18).

De acordo com o site da emissora "Al Jazeera", Trump teria dado informações recebidas de uma espiã jordaniana, e não israelense, ao ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serghei Lavrov, e ao embaixador russo nos EUA, Serghei Kisliak. O portal diz que a informação foi confirmada por fontes da Inteligência da Jordânia.

A revelação do segredo aos russos teria colocado em risco a vida da espiã, que trabalha em uma cidade que ainda é dominada pelos terroristas do grupo EI (Estado Islâmico). Inicialmente, a mídia norte-americana informou que a notícia teria partido de Israel.

No entanto, os militares jordanianos não acreditam que o governo israelense tenha espiões de alto nível infiltrados em cidades dominadas pelo Isis. "Quando o assunto é o Isis, ao contrário da Jordânia, Israel confia em sua coleção de informações de supervisão eletrônica e sua Inteligência divide as informações com os parceiros árabes", acrescentam as fontes.

A revelação da pista secreta não foi negada por Trump, que tem a permissão formal de compartilhar os dados que quiser, e ele evocou o direito de fazer qualquer tipo de comentário a países parceiros ou não.

No entanto, sempre segundo os jornais dos EUA, o dado altamente confidencial foi repassado à Inteligência sob a condição de que não poderia sequer ser revelado para parceiros no combate ao terrorismo.