Venezuela repudia sanções dos Estados Unidos a oito juízes da Suprema Corte

Departamento do Tesouro norte-americano impôs sanções econômicas

Governo da Venezuela manifesta repúdio às sanções
Governo da Venezuela manifesta repúdio às sanções Reuters

O governo da Venezuela manifestou nessa quinta-feira (18) repúdio às sanções extraterritoriais do Departamento de Tesouro dos Estados Unidos (EUA) contra oito juízes da Suprema Corte e disse que essas ações violam as leis internacionais.

A informação é da Agência EFE. A chanceler da Venezuela, Delcy Rodríguez, publicou posição no Twitter. Para ela, é inadmissível que os EUA imponham sanções a um poder público soberano e independente, violando leis internacionais e venezuelanas.

Mortes na Venezuela cruzam fronteira do Brasil

— A Venezuela repudia sanções unilaterais e extraterritorias do Departamento do Tesouro dos EUA contra juízes do máximo tribunal. 

Delcy Rodríguez destacou que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reforça o apoio aos juízes, "vítimas do poder imperial americano".

O Departamento do Tesouro norte-americano impôs sanções econômicas ao presidente da Suprema Corte da Venezuela, Maikel Moreno, e a sete juízes do Tribunal Constitucional por "usurparem a autoridade" da Assembleia Nacional.

Sobe número de mortos em protestos na Venezuela

As novas sanções foram aplicadas após várias semanas de protestos, desencadeados pela ordem do TSJ de privar a Assembleia Nacional, controlada pela oposição, de todas as suas funções.

Em comunicado o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, se pronunciou. Mnuchin comanda o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC), que impõe as sanções

— O povo venezuelano está sofrendo pelo colapso econômico provocado pela má gestão e a corrupção do governo. Os membros do Tribunal Supremo de Justiça exacerbaram a situação ao interferir na autoridade do Legislativo. Por meio dessas sanções, os Estados Unidos apoiam o povo venezuelano em seus esforços para proteger e promover um governo democrático no país.

Leia a cobertura completa da crise no país