Internacional

9/2/2013 às 10h02

Veterano de guerra ucraniano visita o próprio túmulo há 70 anos

EFE

Ignacio Ortega. Moscou, 9 fev (EFE).- O veterano Gueorgui Kireev visita quase todos os anos seu túmulo em Volgogrado, depois que o declararam morto há 70 anos durante a batalha de Stalingrado, uma das mais sangrentas da história. "Fui ferido na defesa de Stalingrado. Pensaram que havia morrido e enviaram a notificação a minha família. Quase todos os anos vou visitar meu túmulo em um cemitério da cidade", afirmou Kireev à Agência Efe. Com 89 anos nas costas, o veterano ucraniano ainda conserva o bom humor, como não podia ser de outra forma para um militar retirado cujo nome e sobrenome foram gravados com cinzel em um panteão dos caídos entre junho de 1942 e fevereiro de 1943. Não é o único caso de veterano de Stalingrado que foi dado como morto em combate e que não só ainda estava vivo, como seguiu combatendo; mas Kireev não pôde participar da tomada de Berlim, já que ficou gravemente ferido em novembro de 1944 na Prússia. Os ex-combatentes da batalha que mudou a Segunda Guerra Mundial rondam agora os 90 anos e, embora afetados por algumas enfermidades, ocupam um lugar de honra na história desse conflito. "Resistimos até o final, embora tivéssemos pela frente o grande Exército alemão. Sim, morreu muita gente sob as bombas. Em meu pelotão éramos 15 e só três sobrevivemos", contou Kireev, membro da brigada 96 do lendário Exército soviético. Em julho de 1942, a cidade que recebeu seu nome do líder soviético, Josef Stalin, estava a ponto de cair nas mãos dos alemães e, por isso, Moscou teve que recorrer a recrutas sem experiência em combate que quase não duravam 24 horas de pé sob o infernal bombardeio alemão. "Terminei a escola e dois dias depois caíram as primeiras bombas sobre Kiev. Todos meus amigos e eu fomos nos alistar. Fui rejeitado porque só tinha 17 anos. Fiquei muito triste, mas, quando completei 18, me deram um fuzil e me enviaram ao fronte", lembrou Kireev. Curiosamente, segundo a historiadora Tatiana Prekazchikova do Museu de Stalingrado, nem Hitler nem Stalin suspeitavam que essa cidade a margens do Volga seria crucial para decidir o destino da guerra. Stalin pensou que Hitler optaria por lançar no verão de 1942 uma nova ofensiva sobre Moscou, mas os alemães desistiram da capital russa e decidiram tomar o controle do Cáucaso para cortar as provisões de combustível ao Exército Vermelho. "É hora de frear a retirada. Nem um passo atrás", rezava a famosa chamada de Stalin às tropas em julho de 1942. Ou seja, no caso dos soldados soviéticos, entre os quais havia não poucas mulheres, o heroísmo não era negociável, mas uma obrigação para todos os combatentes, que em caso de retirada eram metralhados por unidades punitivas, de acordo com a diretiva 227. Como resultado, os alemães se viram empurrados a uma batalha popular, uma luta corpo a corpo nas ruínas da cidade, para a qual não estavam equipados e na qual sua supremacia em tanques e aviões perdeu todo valor. "Os alemães não estavam preparados para 40 graus abaixo de zero. Além disso, ficaram sem munição e provisões. Estavam famintos e mortos de frio", disse Dmitri Stadniuk, um veterano ucraniano de 90 anos. A consequência foi que a cidade de pouco mais de meio milhão de habitantes praticamente desapareceu da face da terra devido aos bombardeios alemães e, em suas ruas e nos arredores, pereceram mais de dois milhões de soldados soviéticos e alemães. "Havia montanhas de cadáveres. Tivemos que pedir aos prisioneiros que cavassem sob a neve fossas para enterrar seus próprios caídos", lembrou. Stadniuk viu pessoalmente em uma das praças de Stalingrado como um compungido Friedrich Paulus, o comandante do Sexto Exército alemão, era transportado em um veículo por soldados soviéticos após render-se, em fevereiro de 1943. "Em Stalingrado nós aprendemos a combater e os alemães perderam a iniciativa. Foi nossa primeira grande vitória", relatou Stadniuk. Os alemães nunca chegaram a pôr suas botas em Moscou, enquanto os soviéticos já não se conformaram em expulsar o invasor de seu território e lançaram uma contra-ofensiva que concluiu com a tomada de Berlim. EFE io/rsd (foto)
  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Verde-amarelo contagiante

Bandeiras e camisetas do Brasil se espalham pelo mundo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Fé proibida

Conheça os países com maiores índices de perseguição religiosa

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!