Internacional

25/2/2013 às 11h10

Voto de protesto amplia incerteza na eleição italiana

Reuters

Por James Mackenzie e Gavin Jones

ROMA, 25 Fev (Reuters) - Os italianos votam na segunda-feira pelo segundo e último dia em uma eleição geral na qual o voto de protesto amplia o risco de formação de um governo instável no país, que há três anos luta contra uma crise da dívida.

As pesquisas davam uma vantagem apertada à coalizão centro-esquerdista liderada por Pier Luigi Bersani, mas a disputa se tornou imprevisível por causa do grande número de votos de protesto contra as medidas de austeridade e os escândalos políticos e empresariais.

"Estou farto dos escândalos e da roubalheira", disse o advogado romano Paolo Gentile, de 49 anos, que votou no partido alternativo Movimento 5 Estrelas, que disputa sua primeira eleição geral. "Precisamos de gente jovem no Parlamento, não dos velhos partidos totalmente desacreditados."

A maioria dos eleitores ouvidos durante dois dias pela Reuters em frente às seções eleitorais previu que o novo governo vai cair rapidamente, prejudicando seus esforços contra a crise econômica.

"Estou muito pessimista, não acho que o vencedor, seja quem for, irá durar muito ou será capaz de resolver os problemas do país", disse Cristiano Reale, de 43 anos, vendedor em Palermo (sul). Ele disse que votaria no grupo Revolução Cívica, de extrema esquerda.

A campanha eleitoral foi travada em torno de temas econômicos, e acompanhada de perto pelos mercados financeiros, nervosos com um reinício da crise da dívida que levou a zona do euro para a beira de um desastre, e que resultou, em 2011, na substituição do premiê Silvio Berlusconi pelo tecnocrata Mario Monti.

A Itália é a terceira maior economia entre os 17 países que compõem a zona do euro, e a perspectiva de um impasse político pode gerar uma perigosa instabilidade nos mercados.

"Há uma semelhança entre as eleições italianas e as do ano passado na Grécia, em que partidos pró-euro estão perdendo terreno em favor de forças populistas", disse Ricardo Barbieri, economista-chefe da Mizuho.

"Uma opinião pública irritada e confusa não vê os benefícios da autoridade fiscal e não confia nos partidos políticos estabelecidos."

A votação termina às 15h (11h em Brasília), e as primeiras pesquisas de boca de urna devem ser divulgadas em seguida. Projeções baseadas na apuração dos votos sairão ao longo da tarde, e o resultado final deve ser conhecido no final da noite ou no começo da madrugada.

Há expectativa de uma disputa acirrada pelo Senado em várias regiões, o que pode retardar a divulgação do resultado final.

Os mercados italianos se mostravam confiantes na segunda-feira, com poucas alternações nas Bolsas e nas cotações dos títulos públicos.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Onde o terror acontece

Cinco países são responsáveis pela maioria dos mortos pelo terrorismo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Meio ambiente

Mudanças climáticas podem aumentar o risco de uma nova guerra mundial?

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!