Minas Gerais

19 de Abril de 2014

Você está em:

Notícias

Notícias

População da Grande BH recorre a medidas inusitadas contra violência

Recados para bandidos e portas com detectores de metais são algumas das alternativas

Juliana Ferreira e Márcia Costanti, do R7 MG | 22/12/2012 às 01h30

Publicidade

A faixa no muro dizia: "Caro (R$) Ladrão, na penúltima vez que você esteve aqui, limpouminha casa. Ainda não consegui dindin para repor o que você levou. Quando comprar tudo novamente, aviso". A medida pode parecer desesperada, mas foi a única opção que a médica Juliana Lara de Oliveira encontrou para evitar novos assaltos à sua casa, no bairro Vila Clóris, na região norte de Belo Horizonte. Ela colocou o aviso depois de ser assaltada duas vezes na mesma semana.

— Os bandidos entraram na minha casa e roubaram muita coisa em setembro de 2010. Na mesma semana, eles voltaram, aparentemente as mesmas pessoas, mas quando o alarme soou, eles fugiram.
 
O recado soou como deboche para a Polícia Militar, que pediu à família para retirar a faixa. Os R$ 4.000 investidos em cerca elétrica, sistema de alarme e interfone de nada adiantaram. Em fevereiro deste ano, bandidos invadiram o imóvel novamente e fizeram a empregada refém. Nesse instante, a médica decidiu se mudar.
 
Juliana não é a única belo-horizontina refém do medo na cidade e região metropolitana. A violência levou moradores a tomarem atitudes inusitadas, como um posto que ganhou uma cabine blindada para proteger seus frentistas em Contagem, na Grande BH.

Somente em 2011, os belo-horizontinos gastaram R$144 milhões para a instalação de 130 mil novas câmeras pela cidade, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese). É como se um a cada 18 moradores adquirisse o equipamento, que tem um custo médio de R$ 1.100.
 
Os sistemas mais comuns podem ser adquiridos a partir de R$ 4.000, mas Luiz Flor desembolsa R$ 50 mil por mês para proteger seu prostíbulo. O estabelecimento, que fica no bairro Madre Gertrudes, região oeste da capital mineira, ganhou câmeras, porta com detector de metais e vigias.

— Tudo isso para proteger a empresa e o cliente. Fui assaltado três vezes lá e depois de colocar tudo isso nunca mais aconteceu. A maioria dos comerciantes são assaltados três vezes por mês até.

Segundo a Polícia Militar, colocar faixas em via pública requer autorização da prefeitura. Além disso, a PM observa que pesquisas indicam que a colocação de placas ou avisos similares nos muros chamam a atenção do infrator, o poderá levá-lo a agir novamente naquele local.

Medo

As providências inusitadas da população são reflexo de "um problema público e coletivo", em que as pessoas buscam soluções individuais, segundo o especialista em criminalidade e pesquisador do projeto Observatório das Metrópolis, Marco Antônio Couto Marinho.  O problema da violência continua a existir, mas as atitudes dão uma sensação de segurança.

Ainda segundo Marinho, ao desviar a cobrança de quem tem responsabilidade e tentar resolver o problema de forma particular, o belo-horizontino não se organiza em busca de soluções efetivas.

— É preciso oferecer mais oportunidades de emprego e ter a educação como prioridade. Segurança não é só uma questão de índole, tipo "fulano é mal caráter", mas sim uma questão de problema social que atinge outras instâncias.

 
Veja Relacionados:  bh, medidas, inusitada, violência
bh  medidas  inusitada  violência 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS