Minas Gerais

26 de Julho de 2014

Você está em:

Notícias

Notícias

Presídios da Grande BH registram média de uma fuga por mês

Entre 2007 e novembro de 2012 foram 68 casos, segundo secretaria

Ramon Guerra, do R7 MG | 29/12/2012 às 01h30

Publicidade

Desde 2007, os presídios da região metropolitana de Belo Horizonte procuram alternativas para diminuir, ou acabar de vez, com uma taxa que assusta: a média de fugas nas unidades chega a quase uma por mês, segundo dados da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). Em seis anos, 68 presos conseguiram escapar da prisão.

São, ao todo, 11 unidades prisionais espalhadas por Ribeirão das Neves, São Joaquim de Bicas, Betim e Contagem, com cerca de 12 mil detentos. No Estado, são 129 prisões administradas pela Suapi, com 43 mil presos. Ao todo, estima-se que 51,4 mil pessoas estejam detidas em Minas.

Para o subsecretário de administração prisional, Murilo Andrade de Oliveira, o número de fugas é inaceitável.

— Eu não aceito isso não. Sou totalmente contrário. Para mim, não deveria ter nenhuma. Trabalhamos para diminuir ao máximo essas fugas.

Segundo Oliveira, na maioria dos casos, as fugas acontecem em erros de procedimento dos agentes penitenciários que, quando comprovados, acabam gerando demissões.

— Quando a gente detecta erro procedimental, ou seja, determinada pessoa deixa de cumprir as obrigações, a gente tenta punir da melhor maneira possível. Ou seja, fugiu, e foi comprovado, a gente manda embora.

Detento consegue fugir de presídio em São Joaquim de Bicas

Policiais são investigados por participação em fuga de detento

Detento mata agente penitenciário e foge para São Paulo

Para o coordenador do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC Minas, Robson Sávio, a falta de preparação dos agentes é apenas um dos motivos das fugas. Na visão dele, o problema está no modelo que é utilizado no país, onde muitos presos cometeram crimes "leves" e, inseridos em um sistema violento, sem opção de aprendizado, muitas vezes, saem cometendo crimes piores.

— As taxas de reincidencia criminal chegam a ser de 80%, pois a maioria dos presos, quando saem porque fugiram ou porque conseguiram a liberdade, acabam cometendo novos crimes, porque quando presos, eles não tiveram condições de trabalho e ressocialização.

Segurança Máxima

Um caso recente e que mostrou que os presos começam a descobrir a fragilidade do sistema aconteceu no dia 31 de outubro. Wellington dos Santos Maciel, de 31 anos, conseguiu pular o muro da penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na grande BH.

No local, considerado de segurança máxima, estão presos famosos, como o goleiro Bruno Fernandes e seu amigo, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, acusados do desaparecimento e morte da ex-modelo Eliza Samudio. Apesar disso, o homem, conseguiu pular um dos muros e desaparecer. Conforme o secretário, uma possível falha está sendo investigada.

— Tivemos sete [fugas] em cinco anos na Nelson Hungria. Erro de procedimento. Teve o último caso em que o preso estava tirando, na frente da unidade, um entulho e pulou a grade e saiu. Tinha que ter o agente tomando conta dele lá e não estava. Houve uma falha. Precisamos descobrir se é púnivel ou não essa falha.

Tudo que você precisa saber agora está a um clique de distância: nova home do portal R7

 
Veja Relacionados:  fuga, presos, presídios, grande bh, suapi, seds, defesa social, polícia,
fuga  presos  presídios  grande bh  suapi  seds  defesa social  polícia 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS