• Twitter Created with Sketch.

Rio de Janeiro

Ativistas fazem topless em protesto contra PMs acusados de estupro

Militares da UPP Jacarezinho são acusados de estuprar três moradoras da comunidade

Do R7

Ativistas fizeram topless em protesto a PMs acusados de estupro
Ativistas fizeram topless em protesto a PMs acusados de estupro Ângelo Antônio Duarte / Agência O Dia

As ativistas feministas Sara Winter e Bia Spring faziam, na tarde deste domingo (24), topless em frente à UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) do Jacarezinho, na zona norte do Rio. O protesto acontece após policiais da unidade serem acusados de estupro por três moradoras da comunidade no dia 5 deste mês. Uma das vítimas é menor de idade. Segundo o Tribunal de Justiça, os acusados também respondem por abuso de autoridade e roubo simples.

O policial Renato Ferreira Leite, um dos acusados de estuprar moradoras na comunidade do Jacarezinho, zona norte do Rio, negou na última quinta-feira (21) ter tido relações sexuais com as jovens. Em depoimento concedido à Auditoria da Justiça Militar do Tribunal do Rio de Janeiro, o PM negou qualquer envolvimento com o crime, mas alegou ter visto os outros dois acusados, Gabriel Machado Mantuano e Anderson Farias da Silva, praticar sexo com as vítimas.

Em seu depoimento, Renato Leite afirmou ter buscado preservativos no bar próximo ao local do crime. Na denúncia feita pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, consta que os PMs roubaram os objetos. Leite disse, ainda, que não entrou no barraco onde teria acontecido o ato sexual e que acredita ter sido denunciado por estar junto dos colegas.   

Os depoimentos dos policiais Gabriel Mantuano e Anderson da Silva foram similares. Os policiais negaram as acusações, mas confirmaram presença no local no dia do crime. Mantuano relatou que a equipe integrada por ele e pelos outros dois depoentes foi recebida a pedradas no local e revistou algumas pessoas, mas nenhuma mulher. Em depoimento, Anderson da Silva ressaltou que viu um casal praticando sexo no local, mas não relatou detalhes. O PM acredita que a denúncia contra ele tenha sido retaliação dos traficantes da comunidade do Jacarezinho.  

Os três policiais, que atuam na UPP do Jacarezinho, afirmaram estar no local para apurar denúncia de consumo e tráfico de crack. Mantuano afirmou que o local do crime é considerado ponto de drogas e prostituição, mas não presenciou ato sexual.  

A juíza Ana Paula Monte Pena Figueiredo Barros manteve a prisão preventiva dos réus. As testemunhas e vítimas do crime serão ouvidas na próxima audiência do caso, em 4 de setembro.

Veja a acusação:

  • Espalhe por aí:

Vídeos

Carregando

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!
Access log
Access log