R7 - Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

27 de Maio de 2016

Notícias

"Me senti no dever do cumprimento da cidadania", diz
médica que desabafou por ajuda em hospital

Na última quarta-feira, Ângela era a única médica do Rocha Faria e gritou por socorro

Do R7, com Rede Record | 03/06/2012 às 21h50 | Atualizado em: 04/06/2012 às 12h09
Publicidade

A equipe da Rede Record voltou ao hospital Rocha Faria, onde, na última quarta-feira (30), a única médica que fazia o atendimento na unidade fez uma desabafo emocionante e se tornou símbolo da luta contra a falência do sistema público de saúde. Um dia após o desabafo, a doutora Ângela Maria Albuquerque falou com exclusividade ao programa Domingo Espetacular. Veja o vídeo abaixo.

Carioca de 58 anos e 23 de profissão, a doutora Ângela sempre trabalhou em hospitais públicos e há três anos está na emergência do Rocha Faria.

— Numa emergência só chegam pacientes graves. Não é consultório. Não é ambulatório.

Naquela noite, pelo menos três médicos deveriam estar no pronto-socorro. Mas a doutora Ângela estava sozinha.

— Deu entrada um infartado e um suicida. Então, são dois casos bem distintos e você tem que socorrer os dois ao mesmo tempo.

A médica contou que, sem conseguir trabalhar direito, ela precisou dar uma satisfação a quem esperava há horas por um médico.

— Eu me senti no lugar dos pacientes. O sofrimento desse povo marcado pelo descaso. Isso me tocou. Me revoltou.

Segundo Ângela, que ganha R$ 4.100 por mês, os médicos estão fugindo dos hospitais Públicos.

— Não existem médicos, os médicos não querem mais trabalhar. Pelo salário, pelo o que estão pagando, ninguém quer mais trabalhar. É muito desgaste. É estresse.

O sindicato dos médicos do Rio de Janeiro concorda com a médica. De acordo com o presidente, Jorge Darze, o baixo salário tem sido um fator que tem expulsado os médicos dos hospitais públicos.

— Esse médico da administração pública, somado ao ambiente de trabalho degradado que esse médico fica exposto, é uma realidade completamente adversa do que nós chamamos do exercício etico profissional.

A médica informou também que até o momento está trabalhando normalmente e que por enquanto não foi chamada para dar explicações à direção do hospital. Para a doutora, o que ela fez não teve nada de heroísmo, foi apenas sinceridade.

— E não me sinto corajosa, eu acho assim que eu me sinto mais no dever do cumprimento da cidadania. Não precisa ter coragem pra exercer a cidadania. Tem que exercer. Não precisa coragem.

A Secretaria Estadual de Saúde apurou com a direção do hospital Rocha Faria que havia superlotação na unidade na quarta-feira passada, quando foram feitos 497 atendimentos na emergência. O número é quatro vezes maior do que a capacidade, que é de 120 atendimentos por dia.

Assista ao vídeo:


 
Veja Relacionados:  Médica, desabafo, hospital
Médica  desabafo  hospital 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS