R7 - Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

21 de Novembro de 2014

Notícias

Chefe de equipe de hospital diz que não conhecia pessoalmente médico suspeito de faltar ao plantão

Menina Adrielly, vítima de bala perdida, esperou 8 horas para ser atendida

Do R7 | 08/01/2013 às 16h05
Publicidade

O chefe da emergência do Hospital Municipal Salgado Filho, Ênio Lopes, disse durante depoimento nesta terça-feira (8) na Delegacia do Méier (23ª DP), que, apesar de há dois anos trabalhar com o neurocirurgião Adão Crespo Gonçalvez, suspeito de faltar ao plantão no dia 25 de dezembro, não o conhecia pessoalmente. Na noite de Natal, a menina Adrielly, vítima de bala perdida, deu entrada na unidade, mas esperou cerca de oito horas para ser atendida. Adrielly morreu na última sexta-feira (4).

O delegado Luiz Archimedes também informou que Lopes contou que ao perceber a gravidade do ferimento, solicitou um pedido de vaga em outra unidade de saúde que tivesse a especialização de neurocirurgia para Adrielly, mas o pedido não foi atendido.

Segundo o médico, o documento foi enviado por um funcionário do NIR (Núcleo Interno de Regulação) do hospital, que confirmou o envio, via fax. Outro funcionário do núcleo confirmou o recebimento do documento na Central Reguladora de Vagas. Lopes disse ainda que ficou aguardando uma resposta da central, assim como uma ambulância para transporta a paciente, o que não aconteceu. Os dois funcionários do NIR também foram chamados para prestar depoimento.

Em entrevista ao R7, o neurocirurgião Adão Crespo Gonçalvez informou que, por não concordar com os procedimentos do hospital, havia entrado com o processo de demissão a partir de dezembro de 2012. Segundo o médico, ele já não estava mais comparecendo aos plantões e disse que não sabia que seu nome estava na lista dos plantonistas na noite de Natal.

— Eu não sabia que estava na escala. Não era para estar. Não passou pela minha cabeça que meu nome pudesse estar nesta escala, haja visto a minha comunicação prévia ao chefe de serviço dias antes.

Médico “inocenta” colega

O neurocirurgião Mário Lapenta, que operou a menina após a longa espera, “inocentou” o colega Adão Orlando Crespo em depoimento à polícia ao informar que a garota não teria chances de sobreviver, mesmo se tivesse sido socorrida momentos após o disparo. De acordo com o delegado, o quadro clínico da menina não altera a responsabilidade do médico, que pode responder pelo crime de omissão de socorro.

— Ele faltou ao plantão, disso não tenho dúvidas. O depoimento do médico Lapenta não muda em nada as investigações. Havia médicos de plantão e naquele dia faltou justamente o profissional habilitado para fazer aquele atendimento.

A mãe da menina, Adriana dos Santos, diz acreditar que a demora no atendimento pode ter causado a morte da filha.

— Se não fizesse diferença, minha filha não teria sobrevivido por dez dias. Se a Adrielly tivesse sido operada logo, teria aguentado ainda mais tempo e, quem sabe, até sobrevivido. O que aconteceu foi muita negligência e descaso, era obrigação no médico estar no hospital.

 
Veja Relacionados:  Adrielly, bala, perdida, hospital, plantão, Salgado Filho
Adrielly  bala  perdida  hospital  plantão  Salgado Filho 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS