R7 - Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

22 de Outubro de 2014

Notícias

Deputado que presidiu CPI diz que
milícias estão em 300 comunidades

Marcelo Freixo acredita que venda de drogas por milicianos é cada vez mais comum

Marcelo Bastos e Mario Hugo Monken, do R7 | 03/02/2011 às 06h00
Publicidade

Autor da CPI das Milícias da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) disse ao R7 que o número de comunidades controladas por grupos paramilitares pode chegar a 300 atualmente. O político acredita que a venda de drogas em favelas dominadas pela milícia vai ser algo cada vez mais comum.
 
- Milícia é negócio. Esse discurso contra o tráfico é só para conseguir uma aceitação da sociedade. Na verdade, eles querem dinheiro e certamente vão fazer novos negócios.
 
Segundo ele, as sucessivas prisões de milicianos nos últimos anos foram importantes porque mudaram a visão que a sociedade tinha desses grupos, mas diz que o combate às milícias ainda é ineficiente, pois a polícia do Rio não tem a cultura da investigação, apenas a da repressão.
 
- Milícia não se combate fazendo operações em favelas, como se faz com o tráfico. É preciso investigação porque a milícia não é um grupo marginal. A milícia está dentro do Estado.

Para o deputado, é preciso atacar o lado financeiro das milícias, que é o que as sustenta, mas isso não foi feito até agora.

- Algumas autoridades tratavam a milícia como algo bom, como alternativa ao tráfico ou polícia comunitária. Provamos que não era nada disso e a visão das pessoas mudou. O problema é que não se combate a milícia da mesma forma como se combate o varejo da droga.  

Número de prisões aumentou 5.000% de 2006 a 2009

Em 2006, apenas cinco milicianos foram presos. No ano seguinte, foram 29 presos. Em 2008, ano da instauração da CPI, esse número subiu para 78. Já em 2009, a polícia do Rio bateu o recorde de prisões de pessoas envolvidas com milícias: 250. O crescimento percentual de 2006 a 2009 foi de 5.000%. Em 2010, o número, que vinha crescendo, caiu em relação ao ano anterior, com 141 prisões. Os números são da Secretaria de Segurança Pública do Rio.

- No final do relatório da CPI, nós elaboramos 58 propostas, mas nenhuma delas saiu do papel até agora. Uma das principais é uma licitação individual para o transporte alternativo. A licitação por cooperativa acaba por autorizar a exploração do setor pela milícia. Outro ponto é a regulamentação do transporte alternativo. Em muitos lugares ele é o único que existe. Assim, ele deixará de ser alternativo.
 
Entre as principais propostas também estão a tipificação de milícia como crime no código penal e a desmilitarização do Corpo de Bombeiros, que prevê o fim do porte de armas para agentes.
 
O combate às milícias rendeu ao deputado a reeleição em 2009, como segundo deputado estadual mais votado, com mais de 170 mil votos. Por outro lado, as constantes ameaças de morte o obrigam a andar de carro blindado e cercado por seguranças.
 
- Caso não fosse reeleito, teria que deixar o país. Perderia toda a estrutura de segurança pessoal e certamente seria morto.
 
 


 
Veja Relacionados:  deputado, presidiu, CPI, milícias, comunidades, Tropa de Elite
deputado  presidiu  CPI  milícias  comunidades  Tropa de Elite 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS