R7 - Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

23 de Dezembro de 2014

Notícias

Exame de DNA em corpo de Tim Maia deve ser feito
por laboratório da Uerj; conheça o procedimento

Justiça do Rio autorizou a exumação para exame de paternidade

Tainá Lara, do R7 | 26/03/2011 às 05h52
Publicidade

A Justiça do Rio de Janeiro autorizou na última terça-feira (22) a exumação do corpo do cantor Sebastião Rodrigues Maia, mais conhecido como Tim Maia. O pedido foi feito por uma suposta filha do artista, morto em 1998, para exame de paternidade. Ainda não há data para o recolhimento de amostras do cantor para o exame. O procedimento deverá ser realizado pelo Laboratório de Diagnóstico por DNA da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro).

A bióloga e perita do laboratório, Deise Silva, explicou que não é possível dizer se o exame de paternidade com amostras do cantor será bem sucedido. Isso porque o resultado de um teste de DNA depende de uma série de fatores.

- A qualidade das amostras biológicas depende das condições de como o corpo é encontrado. Independente de quanto tempo esteja enterrado, é preciso levar em consideração o ambiente, o sexo e idade da pessoa. Por exemplo, locais secos são mais propícios à conservação do que ambientes úmidos, onde os micro-organismos se reproduzem mais rápido.

Deise explicou que as amostras só podem ser colhidas após um pedido da Justiça e que uma série de profissionais deve participar da exumação do corpo. No caso de uma coleta de material para um teste de paternidade, não é preciso uma remoção total dos restos mortais.

- Uma coleta de material é feita na presença do administrador do cemitério, de uma autoridade policial - geralmente um delegado que resguarda o local - um médico legista e sua equipe, além de um perito técnico.

Em geral, o material é coletado da ossada ou da arcada dentária.

- Cada situação é única e os peritos avaliam as condições e a quantidade de material que deve ser recolhido.

O prazo para entrega do resultado do exame de DNA é de quatro meses, em média. A perita explica que cada caso precisar ser estudado. A qualidade do material genético é o que determina o tempo necessário e a precisão do exame.

- Nós buscamos o núcleo da molécula, onde está a carga genética.

No entanto, ainda de acordo com Deise, o material coletado de uma ossada ou de um cadáver nem sempre pode ser usado.

- Quanto mais conservada está a amostra, mais precisão dos dados do exame de DNA.

Ela diz que, dependendo das condições da amostra recolhida do cadáver, o material genético de parentes de primeiro grau, como filhos e irmãos, por exemplo, pode ser mais preciso do que do possível genitor.

- Neste caso é importante que o maior número de parentes participe com amostras de material genético, para haver maior precisão no exame de DNA.

Após a conclusão dos exames, um laudo é enviado de volta para Justiça, que anexa o resultado como uma das provas do processo. Caberá ao juiz responsável pelo caso analisar essas provas e chegar a uma conclusão do processo.

Assista ao vídeo:


Veja Relacionados:  exame dna, uerj, tim maia,
exame dna  uerj  tim maia 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS