R7 - Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

29 de Agosto de 2014

Notícias

Médica do Exército morta em incêndio na boate Kiss é enterrada no Rio

Capitã estava passando férias com o namorado em Santa Maria

Do R7 | 30/01/2013 às 15h17

Publicidade

A capitã do Exército Daniele de Mattos, uma das vítimas do Rio de Janeiro morta no incêndio da boate Kiss, no Rio Grande do Sul, domingo (27), foi enterrada por volta das 15h desta quarta-feira (30) no cemitério de Inhaúma, na zona norte da capital fluminense. O corpo chegou ao Rio na noite de segunda-feira (28), mas a família esperou o pai da militar voltar de viagem para realizar o sepultamento. Até a noite de terça (29), a tragédia havia registrado 235 mortos.

Cerca de cem familiares e amigos acompanharam o sepultamento de Daniele. Muito abaladas, a filha da capitã, de 14 anos, e a mãe, Maria Cristina Dias Mattos, ficaram o tempo todo juntas. No final do enterro, a mãe desabafou:

— O que eu pude fazer por você eu fiz. Dei amor, carinho e apoio. Estive sempre perto de você, minha filha querida.

A capitã Daniele, que era cardiologista do HCE (Hospital Central do Exército), se formou pela Escola de Saúde do Exército em 2005. No ano seguinte, serviu em Santa Maria, onde ficou até março de 2011, quando se apresentou ao HCE. A vítima era noiva de Hebert Magalhães Charão, que também morreu no incêndio. Os dois estavam de férias, visitando amigos na cidade.

O outro carioca morto no incêndio foi Leonardo Machado Lacerda, que também era militar. Ele foi enterrado na tarde de terça-feira (29), no cemitério do Caju, na zona portuária. Tenente do 1º Regimento de Carros de Combate de Santa Maria, Leonardo estava na cidade gaúcha há 15 dias.

O incêndio na boate Kiss foi a segunda maior tragédia deste tipo no País em número de vítimas. Em dezembro de 1961, o Gran Circo Norte-americano, que estava montado em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, pegou fogo, matando mais de 500 pessoas, a maioria crianças.

Show pirotécnico

Um erro de procedimento dos donos da boate Kiss pode ter sido crucial para a tragédia em Santa Maria. Eles não tinham qualquer autorização do Corpo de Bombeiros para organizar um show pirotécnico na casa noturna. Foi durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira que um sinalizador — uma espécie de fogo de artifício — foi lançado e atingiu o forro do teto do estabelecimento.

O comandante do Corpo de Bombeiros de Rio Grande do Sul, coronel Guido Pedroso de Melo, disse ao R7 que o uso de fogos em um estabelecimento fechado deve ser sempre autorizado pela corporação.

— [O show pirotécnico] Foi uma coisa deliberada pela organização do evento. Com certeza, nesse ponto houve falha [da Kiss]. Mas temos que aguardar a perícia técnica para saber o que gerou, o que contribuiu para a tragédia.

Jovem que morreu na boate pediu socorro pelo Facebook

Mesmo que os donos da boate Kiss tivessem requisitado a permissão para o show pirotécnico, o Corpo de Bombeiros teria negado o pedido por causa dos riscos de incêndio no local.

— Jamais concordaríamos em liberar a utilização de fogos de artifício em um lugar confinado como aquele [boate Kiss]. Isso é, com certeza, fonte de fogo; tem calor suficiente para gerar um incêndio. Onde há material combustível, inflamável, como isolamento acústico, quando se gera uma fagulha, pode se gerar incêndio.

Boate preenchia requisitos de segurança

O comandante dos bombeiros do RS assegura que a casa noturna tinha condições de abrir ao público normalmente. O estabelecimento possuía plano de prevenção contra incêndios, com extintores e sinalização de emergência em ordem. Apesar de o alvará de funcionamento ter vencido no fim de 2012, a boate estava dentro do prazo de renovação do documento.

— O Corpo de Bombeiros inspecionou e notificou a boate. O fato de o alvará estar tramitando não era motivo para a interdição. Ela [casa noturna] só podia ser interditada se não preenchesse os requisitos mínimos de segurança. Mas eles foram cumpridos, já que ela tinha plano de prevenção e iluminação de emergência.

A existência de apenas uma saída de emergência na boate tampouco seria um problema. O coronel Guido Pedroso de Melo esclarece que a lei não determina uma quantidade específica de saídas de emergência, mas sim uma largura mínima — estabelecida de acordo com a capacidade da boate e o número de pessoas que poderão utilizá-la.

— A reclamação que se tem preliminarmente é que, no momento do incêndio, frequentava a boate um número bem maior que o determinado por lei. A legislação estadual estabelece que, a cada metro quadrado, podem estar no local duas pessoas. Naquele espaço de cerca de 600 metros quadrados, poderiam circular 1.200 pessoas. Quando chegamos lá para socorrer as pessoas, falava-se em mais de 1.500. Extrapolou o que a lei estabelece.

Segurança da boate diz que extintor não funcionou

Se há mais pessoas circulando que o limite máximo permitido, o plano de prevenção de incêndios está sendo desrespeitado. Isso porque, com mais gente no local, a largura da saída de emergência teria que ser maior para o esvaziamento rápido do local. Segundo o coronel Guido de Melo, a Polícia Civil gaúcha investiga se a capacidade da boate Kiss foi mesmo ultrapassada.

— Se tinha mesmo mais gente, isso contribuiu — e muito — para que as pessoas não conseguissem sair e acabassem asfixiadas dentro do prédio.

"Pior tragédia"

O comandante dos bombeiros do RS informa que os policiais gaúchos também apuram uma possível interrupção na retirada das pessoas. Um sobrevivente relatou, pelo Facebook, que seguranças dificultaram a saída das pessoas da boate Kiss.

No total, 80 bombeiros trabalharam desde o início da madrugada de domingo (27), quando o fogo começou na casa noturna. Os esforços estavam concentrados em debelar as chamas, resgatar as vítimas e transportar pessoas e equipamentos para hospitais de Santa Maria e de Porto Alegre. Em seus 35 anos de corporação, o coronel Guido Pedroso de Melo revelou ao R7 que nunca teve que enfrentar tanto sofrimento.

— Foi a pior tragédia que eu presenciei na minha carreira profissional.

Outro lado: boate Kiss diz que equipe estava "treinada" para qualquer situação

"Falar em culpa agora é falta de respeito", diz governador do RS


Assista ao vídeo:


 
Veja Relacionados:  Médica, Exército, segunda, vítima, Rio, Janeiro, morta, incêndio, boate, Kiss
Médica  Exército  segunda  vítima  Rio  Janeiro  morta  incêndio  boate  Kiss 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS