R7 - Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

31 de Outubro de 2014

Notícias

 

Moradores de Areal sofrem
com as consequências da chuva

Cerca de 1.400 pessoas precisaram ser levadas para abrigos improvisados

Cláudia Alcântara, do R7 em Areal | 18/01/2011 às 13h22

Publicidade

O município de Areal, na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, também sofreu com as fortes chuvas que atingiram a cidade. A situação piorou depois que as três comportas da represa do Morro Grande precisaram ser abertas. O alto volume de água fez com que os rios afluentes transbordassem e atingissem 50 residências do município.

De acordo com dados da prefeitura, cerca de 1.460 pessoas precisaram ser desalojadas e estão acomodadas em cinco escolas da cidade. A prefeitura continua o cadastro dessas pessoas para o aluguel social ao mesmo tempo em que vistoria as casas.

Dona Manuelina Soares teve a casa interditada pela prefeitura por apresentar grandes rachaduras na estrutura. Ela foi cadastrada para receber o aluguel social mas continua morando no local.

- Estou vivendo na casa rachada porque vou sair pra onde? Toda minha família também foi desalojada e na casa de outras pessoas não tem espaço.

Dona Viviane Cruz vive uma situação semelhante. Ela não dorme em casa, mas durante dia passa o tempo todo cuidando da residência.

- Venho todos os dias cuidar da minha casa, mas de noite durmo na casa de amigos. Já o meu pai não tem pra onde ir e dorme na varanda, que é a parte mais segura.

Os moradores do bairro Amazonas, uma dos mais atingidos de Areal, estão sem abastecimento de água potável. Para amenizar a situação, a prefeitura está fornecendo água através de caminhões pipa. Um alívio para a doméstica Andréia Ferreira, que não tinha onde lavar roupas.

- Graças a Deus a água chegou. Eu estava lavando as roupas com água da chuva. Perdi roupas que ainda não tinha pagado.

casa

Na casa de Viviane a lama subiu até o teto e estragou toda a mobília da residência. Foto: Cláudia Alcantara / R7

Tragédia das chuvas

O forte temporal que atingiu o Estado do Rio de Janeiro dia 11 deixou centenas de mortos e milhares de sobreviventes desabrigados e desalojados, principalmente na região serrana.
 
As cidades de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto foram as mais afetadas. Serviços como água, luz e telefone foram interrompidos, estradas foram interditadas, pontes caíram e bairros ficaram isolados. Equipes de resgate ainda enfrentam dificuldades para chegar a alguns locais.

Veja a galeria de fotos

Na sexta-feira (14), a presidente Dilma Rousseff liberou R$ 100 milhões para ações de socorro e assistência às vítimas. Além disso, o governo federal anunciou a antecipação do Bolsa Família para os 20 mil inscritos no programa nas cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis.

Empresas públicas e privadas, além de ONGs (Organizações Não Governamentais) e voluntários, também estão ajudando e recebem doações.
 
Os corpos identificados e liberados pelo IML (Instituto Médico Legal) são enterrados em covas improvisadas. Hospitais continuam com muitos feridos. Médicos apelam por doação de sangue e remédios. Os próximos dias prometem ser de muito trabalho e expectativa pelo resgate de mais sobreviventes e localização de corpos.

Em visita à região de Itaipava, em Petrópolis, o governador Sérgio Cabral (PMDB) disse que ricos e pobres ocupavam irregularmente áreas de risco e que o ambiente foi prejudicado.

- Está provado que houve ocupação irregular, tanto de baixa quanto de alta renda. Está provado também que houve dano da natureza. Isso não tem a ver com pobre ou rico.

Doações na Igreja Universal

Para ajudar as vítimas, você pode doar água e alimentos não perecíveis em qualquer templo da Igreja Universal do Reino de Deus no Estado do Rio de Janeiro.


 
Veja Relacionados:  Arealva, chuva, serrana
Arealva  chuva  serrana 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS