R7 - Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

29 de Agosto de 2014

Notícias

Pai de professora morta no ônibus 174, no ano 2000 revive dor ao ver na TV sequestro no Rio

Geísa Firmo Gonçalves dá nome à escola em Fortaleza

Carolina Farias, do R7 | 11/08/2011 às 06h00
Publicidade

As imagens do sequestro do ônibus que fazia a linha Praça 15-Duque de Caxias, ocorrido na noite da última terça-feira (9), no centro do Rio de Janeiro, fez o gráfico Gilson Gonçalves reviver a maior dor de sua vida. Há 11 anos sua filha, a professora Geísa Firmo Gonçalves, de 20 anos, foi morta após passageiros do ônibus 174 ficarem cinco horas sob a mira do revólver de Sandro Nascimento. O criminoso usou a professora como escudo para se render e, na confusão entre o Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) e o bandido, Geísa levou a pior: cinco tiros.

O pai da professora, que mora em Fortaleza (CE), diz estar habituado a ser procurado para falar do que ocorreu com sua filha. No último aniversário da tragédia, dia 12 de junho, não foi diferente. O telefone tocou e ele deu entrevistas. Mas, na noite da terça, o que viu na TV – imagens da Polícia Militar negociando para criminosos deixarem o ônibus – fez Gonçalves se lembrar da dor que sentiu.

- Foi muito doloroso. É o mesmo caso que aconteceu com minha filha.

Gonçalves disse que no dia em que ocorreu o sequestro do ônibus 174 ele viu na televisão – o caso foi transmitido ao vivo em cadeia nacional por diversas redes de TV – muito rapidamente. Somente no dia seguinte soube que a mulher morta era sua única filha.

- Uma sobrinha chegou a me telefonar, mas na época não tinha celular, não estava em casa para atender as ligações. A reconheci só no jornal no dia seguinte. Achei que fosse ficar louco [com a notícia].

Geísa saiu de Fortaleza para ir atrás de um namorado, segundo o pai. Ao chegar no Rio, ela descobriu que o rapaz já estava com outra. Mesmo após a decepção amorosa ela resolveu ficar e dava aulas de artesanato no Rio.

A professora agora dá nome a uma escola municipal em Fortaleza, com aulas da 2ª à 5ª série durante o dia e para jovens e adultos à noite. O ato, feito logo após a tragédia, deu orgulho ao pai da professora.

Para a diretora da escola Delania Benevides Barbosa Gomes, a homenagem à Geísa “não é só porque era a pessoa que morreu [no sequestro], mas porque ela tinha uma história”.

- Ela tem uma história, ela era cearense.

Na escola, disse Delania, há uma foto da professora logo na recepção e sempre há programação onde os alunos assistem ao documentário Ônibus 174, de José Padilha, de 2002, e ao filme Última Parada 174, de Bruno Barreto, lançado em 2008.

- Os alunos sabem quem ela é. Temos cópias de matérias e o projeto ‘Todos contra a Violência’.

Ônibus 174

Há 11 anos, Sandro Nascimento entrou no ônibus para cometer um assalto, mas, de repente, se viu cercado por policiais, repórteres e curiosos. Atiradores de elite se posicionaram, mas nenhum tiro foi disparado.

Após longa negociação, os homens foram liberados e Sandro passou a manter apenas mulheres no veículo. A estudante Luana Guimarães foi quem ficou mais tempo com o criminoso e escrevia as ameaças ditadas por ele nos vidros com um batom.

Ele agiu sozinho e, na época, especialistas classificaram o caso como um dos exemplos mais emblemáticos de intervenção policial desastrosa. As câmeras de TV transmitiram ao vivo as cinco horas de tensão vividas pelos reféns e, na sequência, o assassinato de Geísa.

Sequestro no centro

O sequestro com reféns de terça-feira terminou por volta das 21h30. Mais de 20 pessoas foram vítimas. Três suspeitos mantiveram os passageiros do ônibus reféns por aproximadamente uma hora. Agentes do Batalhão de Choque e do Bope foram acionados, negociaram e acompanharam a liberação das vítimas. Duas pistolas e uma granada foram apreendidas com os presos.

Ao fim, seis pessoas foram baleadas nas trocas de tiros entre a PM e os criminosos. A Polícia Civil, com a ajuda de laudos, vai investigar se os tiros que atingiram as vítimas partiram de armas de policiais ou dos bandidos.

 
Veja Relacionados:  professora, geísa, ônibus 174, sequestro
professora  geísa  ônibus 174  sequestro 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS