R7 - Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

27 de Maio de 2016

Notícias

Rio: em bairros mais pobres, mais de 60% se
declaram pretos ou pardos, revela Censo 2010

Por outro lado, Lagoa tem apenas 1,5% de negros e rendimento médio de R$ 16 mil

Mariana Costa, do R7 | 20/11/2011 às 18h59
Publicidade

Uma análise sobre a configuração racial na cidade do Rio de Janeiro mostra forte concentração de moradores que se declaram pretos ou pardos nos bairros mais pobres e com o maior número de favelas, segundo apontam dados do Censo 2010, divulgado nesta semana pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Renda dos bairros ricos do Rio é 10 vezes maior que a dos mais pobres

O R7 calculou a soma dos habitantes dos dez bairros mais pobres do Rio e o percentual de brancos, pretos, pardos, amarelos e indígenas sobre o total dessa população. Segundo esse cálculo, 63% dos moradores das localidades com menor renda média se declararam pretos ou pardos.

Os bairros que têm o maior número de negros são Mangueira (zona norte), Cidade de Deus (zona oeste), Jacarezinho (zona norte), Vaz Lobo (zona norte), Sampaio (zona norte), Gericinó (zona oeste), Costa Barros (zona norte), Santo Cristo (centro), Parada de Lucas (zona norte), Vigário Geral (zona norte) e Grumari (zona oeste), nessa ordem.

Lagoa: 1,5% se declaram pretos

Enquanto na Mangueira, que aparece no topo do ranking, quase 5.000 moradores se declararam pretos, o que equivale a 28% da população total da comunidade, na outra ponta, a Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul, tem apenas 323 pretos, o que corresponde a 1,5% do total de moradores.

A Lagoa também é o bairro com a maior renda per capita do Rio. Lá, cada morador tem rendimento médio de R$ 6.160,04. Enquanto isso, na Mangueira, a renda per capita não chega a R$ 500. Ou seja, os bairros que concentram a renda mais alta do Rio também são aqueles que têm o maior número de pessoas que se declaram brancas.

Barra (zona oeste), Copacabana (zona sul), Leblon (zona sul), Ipanema (zona sul), Lagoa, Botafogo (zona sul), Tijuca (zona norte) e Flamengo (zona sul) são os bairros que têm o maior número de pessoas que ganham mais de 30 salários-mínimos (R$ 16.350), a grande maioria branca. Na Lagoa, por exemplo, há apenas seis cidadãos que se declararam pretos e que estão nessa faixa de renda.

Acari, Vista Alegre, Alemão e Vigário Geral, todos bairros da zona norte pobres e com favelas, têm apenas uma pessoa com rendimento de R$ 16.350 - em todos os casos, são brancos.

O enorme abismo observado na desigualdade racial e de renda no Rio também se reflete em outros indicadores do censo, como a mortes de jovens entre 15 e 24 anos. Enquanto na Lagoa, houve apenas uma morte no grupo de moradores nessa faixa etária, no complexo de favelas da Maré (zona norte), foram 80 jovens mortos ao longo de 2010.

O número de óbitos entre os jovens – a grande maioria do sexo masculino – nos dez bairros mais pobres do Rio é bem maior do que nos dez bairros mais ricos: 217 contra 17. Foi a primeira vez que os recenseadores do IBGE investigaram o número de mortes em cada domicílio.


 
Veja Relacionados:  bairros, pobres, Rio, população, preta, parda
bairros  pobres  Rio  população  preta  parda 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!
RSS