São Paulo

11/8/2013 às 10h56 (Atualizado em 11/8/2013 às 10h56)

Atualmente em reforma, Museu do Ipiranga deve reabrir em 2014

Obra no cartão-postal paulistano tem orçamento de R$ 21 milhões garantido pela USP

Agência Estado

Divulgação

Muitos problemas, algumas respostas. Da interdição-surpresa no último fim de semana ao começo da maior reforma de sua história de 123 anos, assim foram os últimos dias no Museu do Ipiranga (oficialmente chamado de Museu Paulista da USP). Em meio a croquis, laudos e uma intensa movimentação de técnicos e equipamentos, uma esperança: que o prédio volte a receber público já em 2014.

"Neste momento, toda a nossa equipe está concentrada na manutenção emergencial e no planejamento dos próximos passos. Mas imagino que, a partir do ano que vem, o museu comece a reabrir, gradualmente. No início, algumas alas", adianta a diretora da instituição, Sheila Ornstein.

— Vai ser interessante que os visitantes também possam acompanhar o processo de restauro.

A USP reservou R$ 21 milhões para a obra no cartão-postal paulistano tombado pelas três esferas de proteção ao patrimônio — federal, estadual e municipal.

A interdição seria só em outubro, mas foi antecipada emergencialmente após laudo apresentado pela empresa VK Arquitetura e Restauro à diretoria do museu no último dia 2.

Conforme a reportagem mostrou em novembro de 2012, pedaços de reboco da fachada já estavam caindo e o forro de um dos principais salões havia cedido mais de 10 centímetros.

A arquiteta Vanessa Kraml, autora do laudo, explica:

— Constatei que havia problema semelhante no forro do salão nobre (onde fica o quadro "Independência ou Morte", de Pedro Américo) e recomendei o fechamento desse espaço.

A diretoria preferiu a cautela e interditou todo o prédio.

De lá para cá, foram reuniões e mais reuniões. No próprio domingo, a diretora Sheila conversou com o reitor da USP, João Grandino Rodas.

Na segunda, debateu a questão com o superintendente de Espaço Físico da USP, Rogério Bessa. Reuniões com a vice-diretora do museu, Solange de Lima, e com a supervisora de conservação, Teresa de Paula, passaram a ser constantes. Dos 90 funcionários, 45 foram realocados em um imóvel alugado na região.

Na noite de quarta-feira, a diretoria emitiu um comunicado aos funcionários, informando da contratação "imediata" do escoramento dos forros e do serviço de estancamento da entrada de água nos telhados e claraboias. A previsão é que o acervo continue dentro do prédio. O "Independência ou Morte", com mais de 30 m², é fixado na parede e a famosa maquete da São Paulo antiga também não pode ser removida. Por isso, será contratada uma empresa especializada para proteger essas obras.

Do lado de fora, o trabalho já começou. No dia 15, a equipe do Estúdio Sarasá montou um laboratório de campo em dois contêineres nos fundos do museu. Eles devem apontar todas as patologias da fachada. Os técnicos têm até um pequeno drone (veículo aéreo não tripulado) para colher imagens da cobertura do museu.

"O problema é que este prédio precisa respirar", diz o conservador e restaurador Antonio Sarasá. Ele refere-se a um problema decorrente da última pintura, do início dos anos 1990. A tinta usada, de látex, é inadequada, já que criou uma camada sintética. Água da chuva se acumula em falhas da pintura e os tijolos se desmancham.

Mas este não é o único problema encontrado. Sarasá adiantou ao Estado informações que devem constar em seu laudo, a ser concluído até o fim de 2013. Ele já apurou que os 50 holofotes que circundam o prédio, iluminando-o todas as noites, têm um tipo de lâmpada impróprio.

— Isso está danificando a argamassa e favorecendo a proliferação de fungos.

Após monitorar as variações de temperatura no prédio, ele também chegou a uma das causas das rachaduras: os materiais diferentes e exposições distintas ao sol fazem com que as variações de calor sejam de 26ºC a 70ºC ao mesmo tempo.

O químico Luiz Prado, consultor da equipe, explica:

— Precisamos utilizar uma argamassa flexível, que amorteça essas dilatações.

Técnicos estão esquadrinhando todo o prédio em busca de imperfeições: as análises são feitas a cada 4 centímetros quadrados. Parte do material é estudada ali mesmo, nos laboratórios de campo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Grande SP

Após ser torturada e dada como morta, mulher acorda e entrega ex de namorado

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Filmado

"Ela é um monstro", diz mãe de menina torturada por causa de paquera

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Você moraria nestes lugares?

Veja como estão imóveis que foram cenários de tragédias em São Paulo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Tragédia em família

Veja imagens do casal encontrado morto em apartamento de luxo; mãe é suspeita

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de São Paulo

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!