Beagles retirados de instituto em São Roque podem morrer, diz polícia

Animais não possuiriam imunidade para convívio com o mundo exterior

Ana Ignacio e Thiago de Araújo, do R7

Os 178 cães da raça beagle que foram retirados do Instituto Royal, em São Roque, no interior paulista, na madrugada desta sexta-feira (18), correm o risco de morrer. A informação é do delegado responsável pelo caso, e foi corroborada por representantes da empresa, que é acusada por supostas atividades de crueldade com animais em testes de produtos farmacêuticos.

Em entrevista ao R7, o delegado titular da delegacia de São Roque, Marcelo Sampaio Pontes, explicou que a exposição dos animais ao ambiente exterior, fora dos laboratórios do instituto, coloca a vida dos cães em risco.

— A preocupação agora é que não se sabe para onde os cães que foram levados (pelos ativistas). Eles podem transmitir ou pegar algo para outros cães e para as próprias pessoas que levaram. Segundo o veterinário do instituto, eles são submetidos a tratamentos específicos. Tudo é diferente, a água, a ração. Eles correm risco de morrer por não ter o tratamento específico a que estão acostumados. No instituto, tudo é esterilizado, alguns nasceram lá. A falta desse cuidado, segundo esse funcionário do instituto pode trazer muitos danos.

Advogado de instituto suspeito de maus tratos a animais compara ativistas a “manada de elefantes”

Polícia investiga suposto abuso de laboratório e furto dos beagles por ativistas

A gerente geral do Instituto Royal, Silvia Barreto Ortiz, reforçou no início da manhã desta sexta-feira, na saída da delegacia de São Roque, o que disse o delegado. Ao R7, o advogado Daniel Antônio de Souza Silva, que representa a empresa no caso, afirmou que parte do processo de obtenção dos resultados das pesquisas demanda que os animais nasçam e vivam dentro de um ambiente selado, sem que desenvolvam imunidade no contato com humanos e outros bichos.

— A doutora Silvia já disse que boa parte desses cães morrerá, já que eles não eram levados das ruas para o laboratório, mas sim nasciam lá. Além de só terem contato com três ou quatro pessoas, eles tinham acesso a uma comida processada, seguindo diversos processos de higiene, tanto para os animais quanto para as poucas pessoas que tinham contato com eles. Eles não têm contato com doenças, então parece até óbvio o que vai acontecer.

Empresa de ração informa que não tem relação com instituto suspeito de maus-tratos a animais

Famosos prestam homenagem a ativistas que retiraram beagles

O advogado do instituto citou o exemplo das instalações que abrigam ratos e camundongos (que não foram levados pelos ativistas). Silva comentou que a troca de oxigênio para esses animais ocorre com uma frequência impossível de ser reproduzida no mundo exterior, o que comprova o caráter excepcional dos trabalhos realizados pela empresa.

— Veja as fotos que estão divulgando agora [da retirada dos animais pelos ativistas]. Eles parecem estar maltratados? Se eles fossem, garanto que essas pessoas teriam o maior interesse em mostrar essas imagens, para corroborar o que dizem. Mas não é isso que se vê. As outras fotos que circulavam antes dessa invasão foram colhidas por eles na internet, é só você procurar no Google que você encontra beagle mutilado ou coelho sem olho. Isso não saiu do instituto.

Assista ao vídeo:

  • Espalhe por aí:

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!