São Paulo

21/8/2013 às 19h59 (Atualizado em 21/8/2013 às 20h00)

Justiça marca depoimento de caseiro envolvido em caso de motoaquática em Bertioga

Garota de três anos foi morta na praia de Bertioga em fevereiro de 2012; menor pilotava veículo

Agência Estado

Grazielly tinha ido à praia pela primeira vez quando foi morta pela moto aquática Reprodução Rede Record

A Justiça de Bertioga, na Baixada Santista, no litoral de São Paulo, agendou para 9 de dezembro, às 14h, o novo depoimento do caseiro Erivaldo Francisco de Moura, um dos quatro indiciados pela morte da menina Grazielly Almeida Lames, de 3 anos, atingida por uma motoaquática no carnaval de 2012, na Praia de Guaratuba.

Pela primeira vez como réu no caso, Moura compareceu ao Fórum de Bertioga na tarde desta terça-feira (20), mas não foi ouvido. Apenas a mãe de Grazielly, Cirleide Rodrigues de Lames, prestou depoimento. Cirleide deixou o local, após se sentir mal.

O caseiro chegou a ser indiciado pela polícia, mas, por determinação da Justiça, foi retirado do caso — foram citados como réus o proprietário da motoaquática e padrinho do adolescente de 13 anos que pilotava a embarcação, o empresário José Augusto Cardoso Filho, que mora em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo; o dono da mecânica onde o veículo foi revisado, Thiago Veloso Lins, e o mecânico do estabelecimento Aílton Bispo de Oliveira.

Morte de menina atropelada por moto aquática completa um ano

Leia mais notícias de São Paulo

Posteriormente, denúncia feita pelo MP (Ministério Público), que recorreu da decisão, apontou o caseiro como um dos responsáveis pela morte de Grazielly, uma vez que foi ele quem empurrou a motoaquática até a beira da água para que o adolescente pudesse pilotar o equipamento.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!