R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/São Paulo/Notícias

Icone de São Paulo São Paulo

publicado em 27/01/2011 às 17h55:

Mulher denuncia outras agressões cometidas
por delegado suspeito de bater em cadeirante

Olga Marino diz que ex-titular do 6º DP de São José dos Campos tentou matá-la

João Varella, do R7

Publicidade

Damásio Marino, o delegado suspeito de agredir um cadeirante em São José dos Campos, cidade a 97 km de São Paulo, já havia sido denunciado anteriormente à Corregedoria da Polícia Civil por uma tentativa de homicídio. Os documentos que comprovam a denúncia foram entregues ao R7 pela suposta vítima: a mulher dele, Olga Marino, que embora não viva mais com o ex-titular do 6º Distrito Policial de São José dos Campos, ainda é casada com ele "no papel".

Durante uma longa entrevista, Olga contou que seu caso - registrado em 2009 - ainda está sem solução. Segundo ela, no final daquele ano, os dois estavam com o relacionamento de 17 anos bastante desgastado. Ela contou que sabia que, na época, seu marido mantinha um relacionamento extraconjugal com uma advogada (que continua com Damasio até hoje e está grávida dele). 

Em setembro, ainda de acordo com Olga, os dois teriam brigado e Marino teria chegado a efetuar um disparo com sua pistola calibre .40 contra ela. A discussão teria começado após Marino chegar de um churrasco. Olga diz que seu marido só errou os disparos porque estava bêbado. Os dois estavam sozinhos na residência no momento da confusão.

- Fiquei trancada em um quarto, esperando a fúria dele passar.

Ela conta ter tido dificuldade para registrar o caso nas delegacias da cidade e para contratar um advogado porque "todos temiam Damásio". Mesma assim, a mulher conseguiu registrar a denúncia, inclusive com relatos de testemunhas que disseram ter ouvido o disparo.

Olga afirma, entretanto, que esta não foi a primeira vez que Damásio a agrediu. Antes do disparo, ela conta que já tinha sido alvo de socos e pontapés de seu marido. A dificuldade em relatar os casos à Polícia Civil era constante, diz. Funcionária pública licenciada, Olga atribui ao álcool parte do comportamento agressivo que Marino apresentava quando os dois moravam juntos.

- Ele é inteligente, batalhador, veio de família humilde. É uma pessoa boa. Se eu disser outra coisa, vou estar mentindo. Agora, quando bebe... não sei o que acontece. Eu não bebo. Mas ele se transforma depois de tomar uma 'pinguinha'.

De acordo com a mulher, enquanto moravam juntos, Damasio bebia diariamente. Outro elemento que ajudava o delegado a ficar agressivo, do ponto de vista de Olga, era sua arma. Ela diz que bastava uma simples discussão com um flanelinha para ele mostrar o revólver e fazer ameaças.

Acusações infundadas

Em contato com o R7 por telefone - na noite da quarta-feira (26) -, o advogado de Damasio Marino, Luiz Antônio Lourenço da Silva, classificou nossa ligação como “extremamente oportuna”. Ele disse ter saído, por volta das 18h30 da quarta, da sede da Corregedoria da Polícia com o pedido de arquivamento do processo movido pela mulher do delegado. Segundo Silva, “apuração preliminar sobre os fatos fizeram com que a Corregedoria pedisse o arquivamento em função das discrepâncias entre as lesões que ela diz ter sofrido do marido e o laudo do IML.” Além disso, segundo Silva, todas as testemunhas do caso – arroladas pela própria Olga – teriam desmentido o que foi afirmado pela mulher.

- As testemunhas simplesmente dizem não saber de nada [...] Peguei hoje, mas o relatório [da Corregedoria] está datado do dia 21 [de janeiro]. Isso mostra que o crédito que estão dando a essa pessoa é o mesmo dado ao cadeirante [ em referência a Anatole Magalhães Macedo Morandini]. Vocês terão um surpresa logo. As acusações são extremamente infundadas.

Silva disse ainda que está trabalhando no processo de separação de Olga e Damasio Marino e que “está uma guerra, justamente porque ela quer todos os pouquíssimos bens do casal”:

- Eles já se separaram, de fato, há algum tempo. Ele já tem outra noiva, que está grávida e estava com ele no dia do evento com o cadeirante.

Questionada sobre o caso, a Secretaria da Segurança Pública informou apenas que "houve uma acusação de lesão corporal registrada junto à polícia, mas a vítima (Olga Marino) não entrou com processo na Justiça. A apuração da Corregedoria já foi concluída e aguarda a apreciação de delegado corregedor de São José dos Campos".

"Não sou santa"

Olga, que tem 48 anos, também responde a processos criminais. A mulher conta que a atual companheira de seu marido fez uma denúncia contra ela por sequestro, mas afirma que seria incapaz de cometer tal crime. Olga já foi condenada a pagar R$ 300 a uma entidade beneficente por causa de ameaças feitas contra a então amante de seu marido, em 2009.

- Olha moço, não sou santa também. Tentei defender meu casamento com todas as minhas forças.

Em outro processo, Olga foi condenada a comparecer mensalmente no Fórum de São José dos Campos. Entre os documentos que a reportagem obteve, não aparecia a descrição do crime pelo qual Olga foi punida neste caso.

Durante o processo de separação, Olga diz Damasio, um dia, levou todos os bens que eles tinham para uma outra residência. Ela ainda assina o sobrenome Marino.  

Segundo ela, o processo de separação - iniciado por Damasio - está parado porque ele não comparece às audiências porque teme a divisão de bens. Os dois foram casados sob o regime de comunhão parcial de bens, que prevê que tudo o que foi adquirido pelo casal depois do casamento deve ser compartilhado.

Depois do caso da suposta  agressão ao advogado Anatole Magalhães Macedo Morandini - durante uma briga por uma vaga de estacionamento no último dia 17 de janeiro - Olga voltou a ser chamada para prestar depoimento na Corregedoria de São José dos Campos.

Após o depoimento, Olga disse que encontrou no pátio de sua casa uma carta escrita com letras recortadas de revistas e coladas em uma folha de caderno. No bilhete supostamente enviado a ela, há uma ameaça, caso ela volte a comparecer na Corregedoria.

Morandini cadeirante agredido

Morandini afirma ter sido agredido por ex-titular do 6º DP de São José dos Campos (Foto: Arquivo pessoal)


Veja Relacionados:  cadeirante,delegado,denúncia,agressão,mulher
cadeirante  delegado  denúncia  agressão  mulher 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping