R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/São Paulo/Notícias

Icone de São Paulo São Paulo

publicado em 31/05/2011 às 16h58: atualizado em: 31/05/2011 às 17h08

PM preso em operação comandou roubo que
resultou na morte de ambulante, diz Deic

Ao todo, sete foram detidos nesta terça-feira suspeitos de ataques a caixas eletrônicos

Fernando Gazzaneo, do R7

Publicidade

Um dos PMs presos nesta terça-feira (31) foi apontado pelo Deic (Departamento de Investigação sobre Crime Organizado) como o responsável pela tentativa de roubo que terminou com um ambulante morto na região do Ibirapuera, zona sul da capital, em abril deste ano. A informação foi confirmada pelo diretor do departamento, Nelson Silveira Guimarães.

Segundo Guimarães, o policial, que está na corporação desde 2002, é suspeito de ser “o cabeça” de outros crimes na capital. Entre eles, estão uma tentativa de roubo a uma agência do banco Santander, na avenida Cupecê e um assalto à agência dos Correios, ambos na zona sul da capital. O PM também teria articulado um roubo à residência no Bom Retiro, região central da cidade. Nessa ocasião, dois homens foram presos vestindo uniformes da corporação.

A operação, chamada de Caixa Preta, começou há dois meses e meio e já prendeu 26 pessoas de uma mesma quadrilha, sendo sete só nesta terça-feira. Entre elas, há quatro policiais militares (dois soldados e dois sargentos), um ex-PM, que foi expulso da corporação por brigar com um colega de trabalho, e outros dois homens. 

O subcorregedor da Polícia Militar, Edson Silvestre, revelou que um dos PMs presos durante a operação já havia sido investigado por causa de uma infração durante uma operação. 

De acordo ainda com o diretor do Deic, a quadrilha não era especializada apenas em roubo a caixas eletrônicos. Guimarães explicou, durante coletiva de imprensa, que investiga outras três quadrilhas, que atuam na Grande São Paulo e também em Campinas (a 98 km de São Paulo. O diretor do DEIC explicou ainda que esses grupos criminosos não atuam de maneira isolada no Estado. 

- Nós já sabemos que essas quatro quadrilhas investigadas pela polícia atuam de forma interligada. Por exemplo, o comandante de uma delas pode ocupar um cargo de subordinado em outra organização criminosa. 

O delegado ainda afirmou que, para proteger a investigação, não informaria se há outros PMs envolvidos nestas quadrilhas. Ele também estimou que "mais de cem pessoas" participam das quatro organizações criminosas. 

Ação


O diretor do Deic explicou que os policiais militares que participavam dos crimes não usavam fardas. Já os PMs que davam cobertura para os criminosos faziam este serviço durante o horário de trabalho na corporação. Magalhães não quis mais dar detalhes de como a quadrilha se articulava, mas deu alguns exemplos de como atuavam os policiais. 

- Em um dos grampos telefônicos que fizemos ouvimos a conversa de um policial militar indicando uma mansão para os criminosos fazerem o serviço e depois avisando que a preta [jargão para policiais civis] estavam a caminho do local. 

Em outra gravação feita pelo Deic, é possível ouvir um policial narrando todos os procedimentos para a explosão de um caixa eletrônico. Há também o registro de uma briga entre um sargento e outro PM, que não sabiam que participavam do mesmo esquema criminoso.

Um dos sete suspeitos presos, conhecido Andrezinho, era o responsável por aliciar policiais militares para dar cobertura aos crimes da quadrilha. Ele estava escondido em Manaus (AM) e foi detido logo após chegar em São Paulo. 

Investigação da PM

A Corregedoria da PM e a Polícia Civil investigam 26 policiais. A informação foi confirmada pelo comandante da PM, coronel Álvaro Batista Camilo, na manhã desta terça-feira (31), à Rede Record. No último sábado (28), outros três policiais foram presos por tentar explodir o caixa de uma agência bancária, na avenida Armando Arruda Pereira, no bairro do Jabaquara, zona sul de São Paulo.

Dois entraram pelos fundos e se preparavam para explodir os caixas, quando policiais do GOE (Grupo de Operações Especiais), que passavam pelo local, desconfiaram e entraram no banco.

Um terceiro policial foi preso suspeito de ajudar na ação. Ele estava em serviço, e, segundo a polícia, foi descoberto por causa de uma mensagem via SMS, avisando que o policiamento se aproximava do local em que os caixas seriam explodidos.


Veja Relacionados:  PM,operção,quadrilha,caixa eletrônico
PM  operção  quadrilha  caixa eletrônico 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping