R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/São Paulo/Notícias

Icone de São Paulo São Paulo

publicado em 23/05/2012 às 09h45:

Sem opção, vendedora caminha 5 km para ir trabalhar

Paulistanos mudaram rotina para tentar não perder trabalho com greve de metrô

Vanessa Sulina, do R7

Publicidade

A vendedora Angélica Campos, funcionária de uma loja do Shopping Metrô Tatuapé, se deparou com a estação Vila Matilde do metrô, onde costuma embarcar, fechada na manhã desta quarta-feira (23). Sem conseguir pegar ônibus – todos lotados – resolveu andar os cerca de 5 km que separam as duas estações, demorando quase duas horas num trajeto que leva pouco mais de cinco minutos num dia comum.

- Minha mãe viu a confusão no metrô e me chamou mais cedo. Coloquei meu fone com minha musiquinha e vim bem tranquila. Saí de casa às 7h e cheguei aqui 8h40 Tenho dó dos meus colegas que precisam pegar trem.

Com greve de Metrô, SP tem o maior trânsito da história para o período da manhã 

Não conseguiu pegar o metrô? Envie seu relato para o R7

Leia mais notícias de São Paulo

Com menos informações, o assistente de cobrança Lucas Conselho esperou cerca de uma hora próximo à estação Tatuapé na esperança da estação abrir, mas desistiu e foi tentar pegar um ônibus rumo à República, onde trabalha.

- Fui surpreendido. Achei que ia estar funcionando parcialmente. 

A assistente administrativa Cleusa Massimetti saiu de casa mais cedo, e não teve problema, porque no caminho que fez havia trens circulando.

- Peguei a linha 8 da CPTM até Osasco, depois um ônibus até Pinheiros depois as linhas Amarela e Verde.

O porteiro Cristiano Jesus também teve que acordar bem cedo para chegar no trabalho a tempo.

- Saí de casa as 4 da manhã porque já sabia da greve, aí vim de ônibus até aqui [Trianon-Masp] e vou pegar a linha Amarela até a Faria Lima.

Por conta da greve dos metroviários, a linha 3 – Vermelha, que liga Itaquera à Barra Funda, abriu mais tarde e funcionando apenas entre as estações Bresser e Santa Cecília nesta manhã.

Veja a situação do trânsito minuto a minuto 

Os pontos de ônibus da zona leste ficaram lotados pela manhã.

Com a linha 3 - Vermelha do Metrô funcionando apenas parcialmente — entre Bresser e Santa Cecília — e com a linha 11 - Coral da CPTM paralisada, restaram apenas os ônibus como transporte coletivo para os moradores da região.

Desde as 5h30 desta quarta, o Metrô operava com um plano de contingência. Em três linhas da rede — 1- Azul (Tucuruvi - Jabaquara), 2 - Verde  (Vila Madalena - Vila Prudente) e 3 - Vermelha (Corinthians/Itaquera - Palmeiras/Barra Funda) — os trens circulam com velocidade reduzida apenas em alguns trechos. Nas linhas 4 - Amarela (Luz - Butantã) e 5 - Lilás (Capão Redondo - Largo Treze) o funcionamento era normal.

De acordo com o Metrô, na linha 3, o trecho entre as estações Bresser e Santa Cecília foi aberto às 6h17. Os outros trechos do metrô que estão com trens são entre as estações Luz e Ana Rosa na linha 1 e entre Ana Rosa e Clínicas na linha 2.

Greve

A greve atinge também a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Os ramais 11-Coral e 12-Safira da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) estão totalmente parados.

Segundo o  Sindicato dos Metroviários,  os trens podem estar sendo operados por supervisores que não aderiram à greve. No entanto, segundo a entidade, esses profissionais não são capacitados para essas funções. Uma pequena parcela dos condutores também não participa da paralisação. 

As categorias decretaram paralisação após assembleias ocorridas na noite da terça-feira (22). A decisão dos metroviários ocorreu após uma audiência de instrução realizada na sede do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) entre representantes do sindicato e da Companhia do Metropolitano de São Paulo.

Após a audiência terminar sem acordo, a Justiça determinou que 100% do efetivo trabalhe nos horários de pico (das 5h às 9h e das 17h às 20h) e 85% nos demais horário.

No entanto, de acordo com diretor do Sindicato dos Metroviários, Alexandre Leme, a categoria não irá respeitar a liminar da Justiça.  Segundo ele, isso significaria não ter greve.

Caso os metroviários realmente descumpram a decisão do TRT, ficou determinada multa diária de R$ 100 mil, em favor de entidades determinadas pelo Ministério Público do Trabalho.

Reivindicações

De acordo com o sindicato, os funcionários exigem por 5,13% de reajuste salarial, 14,99% de aumento real, vale-alimentação de R$ 280,45 e reajuste de 23,44% para o vale-refeição. Também querem equiparação salarial, 36 horas semanais, adicional risco de vida de 30%, periculosidade sobre todos os vencimentos, plano de saúde acessível para os aposentados e reintegração de todos os demitidos em 2007. 

Assista ao vídeo:

 

 

  •  

    Veja os trechos do metrô que estão funcionando nesta quarta-feira
    Metrô
    Azul (Tucuruvi - Jabaquara)
    Os trens circulam com velocidade reduzida entre as estações Luz e Ana Rosa
    Verde (Vila Madalena - Vila Prudente)
    Os trens circulam com velocidade reduzida entre as estações Ana Rosa e Clínicas
    Vermelha (Corinthians/Itaquera - Palmeiras/Barra Funda)
    Os trens circulam com velocidade reduzida entre as estações Bresser e Santa Cecília
    Amarela (Luz - Butantã)
    O funcionamento era normal
    Lilás (Capão Redondo - Largo Treze)
    O funcionamento era normal
    CPTM
    Coral (Luz - Estudantes)
    Não funciona nesta quarta
    Safira (Brás - Calmon Vianna)
    Não funciona nesta quarta
    Leia notícias do Distrito Federal

Veja Relacionados:  metrô,greve
metrô  greve 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping