Rolezinho derruba em 25% o movimento nos shoppings

Orientação dada pela Alshop é que estabelecimentos permitam a livre entrada de pessoas

"Rolezinhos" afetam a atividade do varejo Reprodução/Twitter

A Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings) estimou nesta quarta-feira (22) que o movimento nos estabelecimentos em dias de rolezinhos — encontros de jovens adolescentes organizados nas redes sociais — tenha caído pelo menos 25%, afetando o faturamento das lojas.

O presidente da associação, Nabil Sahyoun, comenta o caso sem precisar o impacto financeiro estimado pela entidade.

— Tivemos reclamações de vendedores dentro dessas lojas, com comissões diminuindo.

Em coletiva de imprensa, ele afirmou que os rolezinhos afetam a atividade do varejo, ressalvando, por outro lado, "que as manifestações de junho do ano passado trouxeram muito mais prejuízo do que esses movimentos que acontecem hoje".

Sahyoun acrescentou que a orientação dada aos shoppings é que permitam a livre entrada de pessoas. Diante dos rolezinhos, os empreendimentos decidem individualmente como agir. 

— Cada um tem seu critério para permitir a ocorrência ou não. Com rolezinho de 30 a 40 pessoas, alguns podem optar por manter [as portas abertas].

Leia mais notícias de São Paulo

Rolezinho de rico é desfile, de pobre, vandalismo

Violência contra rolezinho será apurada, diz Alckmin

Com mais gente, afirmou Sahyoun, os centros de compra podem optar pelo fechamento para não terem que responder por problemas ocorridos em "evento de 1.000, 2.000 pessoas".

Separadamente, os shoppings evitam comentar sobre os prejuízos causados pelos encontros dos jovens. No domingo (19), o shopping Leblon, no Rio de Janeiro, administrado pela Aliansce, decidiu não abrir as portas depois que um rolezinho foi marcado naquela data.

A assessoria de imprensa do empreendimento não deu informações sobre prejuízos, limitando-se a informar que o shopping recebe, em média, 700 mil visitantes ao mês. Mas que aos domingos o número costuma ser menor, já que o shopping abre mais tarde, às 15h.

O shopping Itaquera, em São Paulo, informou que já investiu R$ 300 mil em segurança, treinamento e advogados por causa dos encontros, valor que não estava previsto em seu plano de negócios. No dia 11, a Polícia Militar reprimiu um rolezinho no local com gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Entre outros empreendimentos onde ocorreram os encontros estão o JK Iguatemi, da Iguatemi, Shopping Campo Limpo, da Sonae Sierra, Internacional Shopping Guarulhos, da General Shopping e Plaza Niterói, da BR Malls.

Shoppings vão monitorar redes sociais para evitar tumulto em "rolezinhos"

Rolé é para "zoar muito e catar minas, mas sem roubo", diz organizador de encontro em shopping de SP

Sahyoun avaliou que a reunião de milhares de jovens nos estabelecimentos representa antes um risco em função dos tumultos do que uma oportunidade de aumentar as vendas com a alta concentração de pessoas.

— Shopping não é bandido e adolescente é mocinho, todos podem entrar. Mas eles não podem convocar 10 mil pessoas para entrar no empreendimento ao mesmo tempo ... Virão ações contra o empreendimento se alguma fatalidade ocorrer.

A Alshop revelou que o governo do Estado de São Paulo está levantando áreas disponíveis para a realização de shows, com o objetivo de disponibilizar locais para o encontro do público que frequenta os rolezinhos.

Veja as notícias do R7 na palma da mão. Assine o R7 Torpedo

  • Espalhe por aí:
Publicidade

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!