São Paulo

13/12/2012 às 00h22 (Atualizado em 14/12/2012 às 12h38)

Toque de recolher em São Paulo: A ordem vem do crime?

R7 revela mudança de hábitos de moradores com medo da violência

Ana Cláudia Barros, do R7

Onda de violência em São Paulo desencadeou uma série de denúncias de toques de recolher, afetando comércio, escolas e faculdades FABIO MARTINS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Era uma quarta-feira de outubro quando J., 40 anos, proprietária de um bar e lanchonete em São Miguel, na zona leste de São Paulo, recebeu um recado de um vizinho, também comerciante. A ordem, supostamente dada por criminosos, era clara: todos deveriam baixar as portas mais cedo. J., que costuma fechar o estabelecimento por volta das 23h, não questionou. A exemplo de outros comerciantes, obedeceu ao que determinava o aviso. Naquele dia, encerrou as atividades às 19h.

A história de J. está longe de ser caso isolado. Denúncias de “toque de recolher” voltaram a aparecer desde que o Estado de São Paulo passou a viver uma nova onda de violência, cujo pavio foi aceso no fim de maio, após ação da Rota que terminou com seis mortos na zona leste. Os relatos passaram a se multiplicar à medida que a criminalidade no Estado se agravava — sobretudo nos últimos dois meses.

Se por um lado o poder público nega, categórico, a existência desse tipo de coação, por outro, uma parcela da população não esconde que se sente ameaçada e, na dúvida, acaba se submetendo ao que entende ser uma “ordem do crime”.

O R7 ouviu histórias de moradores de diferentes regiões da capital e de cidades vizinhas e constatou que, resultado de rumor ou não, os casos de toque de recolher estão pulverizados e têm alterado a rotina de alguns bairros, especialmente na periferia.

A funcionária pública C., 25 anos, que o diga. Ela vive em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, e, desde outubro, não sai à noite porque tem medo de “pagar para ver”, como ela mesma enfatizou.

— Está geral. Os comerciantes estão até acatando, mas a polícia manda abrir, dizendo que não há toque de recolher, que não precisa fechar. Só que alguns estão fechando [o estabelecimento mais cedo]. Eu tenho um filho pequeno para criar. Pelo sim, pelo não, você acaba se privando de fazer as coisas. Não vou arriscar a minha vida. Eles [criminosos] não têm nada a perder.

Série especial do R7: Toque de recolher é boato ou verdade?

C. conta que há dois meses ela e familiares vivem uma tensão cotidiana.

— Todas as pessoas que conheço, quando dá 20h, vão para dentro de casa. A minha mãe saía às 19h30 do serviço. Geralmente, chegava umas 21h, 21h30. Ela passou a sair mais cedo para chegar em casa às 20h. Minha prima trabalhava das 14h às 20h e chegava em Taboão por volta das 22h. Ela mudou de emprego. Arrumou outro por aqui, nas redondezas, e agora trabalha das 7h às 16h.

A funcionária pública se diz insegura e abalada emocionalmente em razão da onda de violência.

— Meu estado emocional está crítico. Saio para trabalhar às 5h. Ainda está escuro. Para mim, alguém vai entrar no ônibus e tacar fogo. Vai jogar aquele coquetel de garrafa [molotov]. É horrível. Isso não é vida.

Continue lendo: Medo da violência abala rotina de paulistanos

 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Grande SP

Após ser torturada e dada como morta, mulher acorda e entrega ex de namorado

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Filmado

"Ela é um monstro", diz mãe de menina torturada por causa de paquera

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Você moraria nestes lugares?

Veja como estão imóveis que foram cenários de tragédias em São Paulo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Tragédia em família

Veja imagens do casal encontrado morto em apartamento de luxo; mãe é suspeita

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de São Paulo

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!