Saúde

13/11/2012 às 20h57 (Atualizado em 13/11/2012 às 20h57)

Entidade contesta parecer sobre cobrança para parto

Agência Estado

A Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia (Sogesp) contestou nesta terça-feira (13) parecer do Conselho Federal de Medicina (CFM) que permite obstetras cobrarem de pacientes de planos de saúde pelo acompanhamento no trabalho de parto. Para o grupo de médicos paulistas, a assistência faz parte do procedimento do parto e não pode ser cobrada separadamente. "Se o valor pago é baixo, o paciente não tem nada a ver com isso", afirma o presidente da Sogesp, Cesar Eduardo Fernandes. A advogada do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Joana Cruz, classifica a cobrança como abusiva. O parecer do CFM libera obstetras para cobrarem um valor que garantiria à gestante o direito de ser acompanhada desde as primeiras contrações até o nascimento do bebê. A justificativa é a de que o parto muitas vezes leva várias horas e que operadoras de saúde pagam apenas pelo parto, não pelo acompanhamento. Gestantes que aceitassem fazer o pagamento deveriam depois pedir o reembolso das operadoras de saúde. O valor, que seria acertado já na primeira consulta, garantiria a assistência integral. Gestantes que não aceitassem a proposta teriam de fazer o parto com médico obstetra de plantão no hospital. O parecer do CFM foi feito a pedido da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que agora deverá estudar o assunto. Na prática, a cobrança por fora para assistência integral já vem sendo realizada pelos médicos. Gestantes de planos de saúde têm três opções: pagar a taxa extra para atendimento integral, fazer o parto com obstetra que está no plantão do hospital ou então marcar uma cesárea, aí com o médico que fez todo o seu pré-natal. Isso poderia explicar, em parte, a epidemia de cesáreas no Brasil. Em 2010, o procedimento foi usado em 82% dos partos realizados na rede conveniada. Porcentual muito superior ao registrado na rede pública: 37%. Embora critique a cobrança pelo acompanhamento, Fernandes é favorável à criação de outra taxa: a que garantiria a disponibilidade do médico. "Nenhum profissional fica de prontidão 24 horas por dia durante toda a semana sem receber por isso", justifica. Ele argumenta que tal pagamento já ocorre de forma indireta, nos partos pagos diretamente pela gestante. "As operadoras deturparam essa relação, pagando apenas pelo procedimento em si." A taxa garantiria a disponibilidade do médico todas as vezes em que fosse necessário. "Para o parto de madrugada, de fim de semana ou qualquer outra emergência." Por meio da assessoria de imprensa, o CFM afirmou que somente se manifestaria sobre o assunto quando recebesse notificação da Sogesp.

Lígia Formenti

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Meningite

Jovem prevê a própria morte e tuíta: "Acho que estou morrendo"

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Aparelho com defeito

Lábio de modelo “derrete” após erro de dentista: “Pareço um monstro”

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Alimento contaminado

Homem quase morre após ingerir comida japonesa contaminada com vermes

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Publicidade
Compartilhe
  • Últimas de Saúde

  • Últimas de Notícias

Compartilhe
Ebola

Mulheres que teriam morrido"ressuscitam" e causam medo e pânico na Libéria

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Superação

Mães não desistem de filhas com doença rara: "É uma luta que vale a pena"

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus

Guia Mais - Saúde

Farmácia/Drogaria
Hospitais
Consultórios
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!