Jovem relata drama de sofrer com queda de cabelo: “Foi desesperador”

Estudante perdeu todos os fios até descobrir que sofria de alergia a lactose

Do R7*

À esquerda, Caroline depois de começar a dieta sem lactose; À direita; a estudante antes de desenvolver a intolerância Montagem/R7

Seja para ter uma boa aparência ou melhorar o bem-estar consigo mesmas, as mulheres dão bastante valor a um cabelo bonito e bem cuidado. Consequentemente, um dos problemas que muitas delas mais temem é a queda dos fios, que pode ser originado por distúrbios hormonais, estresse emocional, procedimentos químicos e até alergias a determinados tipos de alimentos, como aconteceu com a estudante de direito Caroline Casquer, de 22 anos.

A queda dos cabelos de Caroline começou há três anos, junto com um emagrecimento de 16 kg em  apenas três meses. Os sintomas apareceram sem uma causa aparente e, por conta disso, a estudante decidiu fazer uma bateria de exames para saber o que estava acontecendo. Mesmo após várias tentativas, no entanto, Caroline, não conseguia descobrir qual era a causa de seus cabelos estarem caindo. “Eu fazia vários exames e nenhum acusava nada. Os médicos sempre falavam que era estresse por causa do trabalho e da faculdade”, diz.

Quando as esperanças já estavam quase acabando, Caroline encontrou um terapeuta ortomolecular, especialista responsável por administrar a quantidade correta de substâncias do organismo, que pediu para que ela fizesse um exame para verificar se ela tinha intolerância à lactose. Foi aí que surgiu a surpresa. Em uma escala que vai de 0 a 10, Caroline apresentou intolerância que chegou à 9,5 pontos.

— Eu nunca tive alergia a nada, nem a medicamento nem a nenhum alimento. Então eu nunca imaginava que um dia eu poderia ter uma alergia à proteína do leite. E como eu não apresentava sintomas muito drásticos como as pessoas que ficam com a garganta fechada, eu continuei a vida normal, mas ainda consumindo leite.

Nesses casos, a lactose prejudica a manutenção das fibras capilares e causa o enfraquecimento das raízes de acordo com a dermatologista e especialista em tricologia Flávia Sternberg, por isso a descoberta foi um alívio para estudante. Ela conta que até fez exames para verificar se a causa da queda de cabelo era mais grave, como algum tipo de DST (Doença Sexualmente Transmissível) ou problema oncológico.

— Chegou uma época que eu corria para um lado e torcia para dar alguma coisa porque aí pelo menos eu descobria o que era. Mas quando não dava nada eu ficava desesperada porque eu imaginava que poderia ser uma coisa muito grave.

Além da preocupação com a saúde, a autoestima de Caroline também diminuiu muito nesse período. Muitos conhecidos perguntavam se ela estava doente por causa da falta de peso e de cabelo.

— Uma vez eu até estava andando no shopping e uma moça veio me falar que essa situação ia passar, que ela também já tinha tudo câncer. Foi desesperador e minha autoestima acabou caindo bastante.

Mudança na dieta

A partir da descoberta da intolerância, a estudante precisou mudar os hábitos alimentares e substituir qualquer coisa que tivesse lactose na composição, o que inclui derivados do leite como queijo e iogurte, por exemplo.

— Cortei tudo, até chocolate. O único que não me faz tão mal assim é aquele 80% cacau, mas mesmo assim eu evito. Eu sempre tento optar mais pelo chocolate de soja.

Se alguma coisa que Caroline ingerir tiver lactose, em apenas 10 minutos ela já começa a ter coceiras nos braços e fica com dor no estômago, por isso é um costume que dispensa uma atenção especial.

Seguindo essa regra, a estudante segue a vida normalmente. Hoje, o cabelo de Caroline voltou a crescer, mas ainda não se recuperou totalmente.

—  Ele está bem curtinho porque eu perdi ele inteiro. Não fica quebradiço. Ele fica com um aspecto como se fosse cabelo de bebê, muito fininho e muito sensível, assim como a pele. Qualquer coisa que você passa já dá uma irritação no couro cabeludo.

Para evitar essa irritação, ela conta que usa shampoo infantil e todos esses cuidados devem ser seguidos até que a intolerância.

— Tudo depende no meu corpo. Pode ser que daqui a uma semana eu já não tenha mais a alergia e volte a ter aquela vida que eu tinha antes.

*Caíque Alencar, do R7

  • Espalhe por aí:

Guia Mais - Saúde

Farmácia/Drogaria
Hospitais
Consultórios
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!