R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

27 de Maio de 2016

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Saúde/Notícias

Icone de Saúde Saúde

publicado em 08/03/2012 às 16h50:

Condenados à morte são a principal fonte de órgãos para transplante na China

País baniu comércio de órgãos em 2007 e desenvolveu sistema de doações

AFPAFP

Publicidade

Prisioneiros executados no cumprimento de suas sentenças de morte se mantiveram a principal fonte de órgãos utilizados em cirurgias de transplante na China, devido à falta de doações voluntárias, revelou uma autoridade sanitária, citado pela imprensa local nesta quarta-feira.

Há anos o gigante asiático prometeu reduzir sua dependência em órgãos de presos condenados à pena capital, mas a demanda elevada e a falta crônica de doações fazem com que eles continuem uma fonte importante, noticiou o jornal Legal Daily, citando o vice-ministro da Saúde, Huang Jiefu.

Huang teria feito estas afirmações à margem da sessão anual do Parlamento, em Pequim, onde 3.000 delegados de várias partes do país se encontraram para 10 dias de reuniões.

A China baniu o comércio de órgãos humanos em 2007 e dois anos depois começou a desenvolver um sistema nacional de doações, mas a demanda por órgãos para transplante ainda excede a demanda no país de 1,3 bilhão de habitantes.

Cerca de 10 mil transplantes são realizados anualmente, mas estima-se que 1,3 milhão de pessoas esteja na fila, segundo informações divulgadas anteriormente pela imprensa estatal, o que abre a porta para a venda ilegal de órgãos e as doações forçadas.

Em 2007, a Associação Médica Americana, entidade oficial de representação de médicos, anunciou que a China não faria mais transplantes com órgãos de presos executados, exceto para os familiares destes, segundo informes anteriores.

Grupos internacionais de defesa dos direitos humanos acusam a China de retirar órgãos de prisioneiros executados sem o consentimento prévio dele ou de sua família, acusações que o governo nega.

A pesquisadora sobre a China da Anistia Internacional, Sarah Schafer, afirmou que os comentários mais recentes de Huang sugerem que "não mudou muita coisa".

"Sentimos que esta falta de avanço é deprimente", disse Schafer à AFP.

Quer ler mais notícias? Clique aqui
Leia mais notícias de Tecnologia no R7
Leia mais notícias de Saúde no R7
Faça seu e-mail @R7. É grátis!
Venha para o R7 Banda Larga!

 
Veja Relacionados:  órgãos
órgãos 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping