R7 - Notícias

Buscar no site
Eu quero um e-mail @R7
Esqueci minha senha

22 de Novembro de 2014

Você está aqui: Página Inicial/Notícias/Saúde/Notícias

Icone de Saúde Saúde

Sexo Saude

publicado em 05/05/2010 às 20h30: atualizado em: 04/05/2010 às 00h00

Conheça os mitos e as verdades
sobre a virgindade e a iniciação sexual

Evite uma primeira experiência ruim para não criar uma má imagem sobre o sexo

Diego Junqueira, do R7

Será que existe uma idade certa pra perder a virgindade? Será que sangra ou dói na primeira relação? A masturbação faz mal? Como evitar a ejaculação precoce? Dá para perder a virgindade apenas trocando carícias com o parceiro?

Quando o assunto é virgindade, muitas dúvidas surgem nas cabeças dos jovens e adolescentes que estão prestes a iniciar a vida sexual. Segundo o urologista Carlos Márcio Nóbrega de Jesus, chefe do Departamento de Urologia da Unesp, os homens entram em contato mais rapidamente com o tema do que as mulheres, mas elas geralmente começam a vida sexual antes que eles. Enquanto as meninas estão perdendo a virgindade com 13 ou 14 anos, diz o médico, os homens têm a sua primeira relação sexual por volta dos 15 ou 16 anos.

Para a ginecologista Carolina Carvalho Ambrogini, médica da Unifesp e do Projeto Afrodite, não existe uma idade certa para “perder a virgindade”. Mas iniciar a vida sexual tão precocemente “não é visto com bons olhos”.

- Nessa idade, as pessoas ainda não têm maturidade física nem psicológica.

O R7 ouviu a ginecologista e o urologista para desvendar os principais mitos sobre o assunto. Confira abaixo e tire suas dúvidas sobre a perda da virgindade, um dos ritos de passagem para a vida adulta.

Existe idade certa para "perder a virgindade"?

Não existe uma idade certa. Os adolescentes estão perdendo a virgindade muito precocemente, antes dos 14 anos, e isso não é visto com bons olhos pelos especialistas, porque o sistema reprodutivo não está completamente formado. “Nessa idade, as pessoas ainda não têm maturidade física nem psicológica, porque a relação envolve proteção, entrega, maturidade, doação, estar nu, várias coisas”, diz Carolina. Mas a ginecologista ressalta que não existe a idade ideal porque essa é uma decisão individual.

Segundo Nóbrega, os mais jovens “não têm uma estrutura, um conceito formado sobre o assunto, o que causa dúvidas e transtornos na cabeça da criança. Por isso os pais devem ter um livre acesso de conversa com seus filhos”.

O que significa “perder a virgindade”? 

No caso das mulheres, a perda da virgindade é anatômica, ou seja, ela deixa de ser virgem quando ocorre a ruptura do hímen, que é uma membrana existente na entrada do canal vaginal. Mas isso é do ponto de vista médico.

Do ponto de vista emocional e social, tanto as mulheres como os homens perdem a virgindade quando ocorre a penetração. Mesmo que não haja o rompimento do hímen, se a relação chegou até a penetração - isso inclui o sexo anal -, a pessoa já não pode ser considerada mais virgem. Nesse estágio as pessoas já vivenciaram a relação sexual completa.

As mulheres só rompem o hímen com a penetração?

Não. O rompimento do hímen também pode ocorrer quando se introduz um objeto dentro da vagina. No caso de homens e mulheres trocarem carícias com os dedos é menos provável que ocorra o rompimento dessa membrana.

Sempre vai sangrar na primeira relação?

Não é obrigatório acontecer um sangramento. Pode acontecer um discreto sangramento no momento da relação ou pouco depois, em razão do rompimento de um vaso sanguíneo, mas isso também não é regra.

E sempre dói na primeira relação?

No caso das mulheres pode ser doloroso, já que, na maior parte dos casos, a vagina e o hímen estão intactos. Segundo Carolina, a palavra ideal é “desconforto” e não “dor”. “Se a mulher está tensa, insegura e nervosa, aumentam as possibilidades de desconforto”, diz a ginecologista. Ela afirma que isso sempre vai depender do grau de interesse da mulher e se ela está confiante na escolha do parceiro para a primeira relação. “Se a mulher está excitada e envolvida, as chances de desconforto são menores”.

Os homens também sentem dor?

Nos homens, o que pode ocorrer na primeira relação é o rompimento do freio bálanoprepucial, uma membrana popularmente chamada de "cabresto". Essa pele liga a glande ao prepúcio, que é o tecido que recobre o pênis. Nóbrega afirma que é comum ouvir jovens reclamarem de dor nessa região, pois algumas pessoas têm esse freio curto. “Dependendo da intensidade da relação, essa pele pode se romper e até sangrar”.

Como sentir prazer na primeira relação?

Para minimizar as dores e aumentar as chances de sentir o prazer, o principal é estar seguro da decisão. É muito importante trocar carícias e participar das preliminares, porque isso aumenta a lubrificação da vagina e facilita a penetração. Já os homens acabam ficando muito ansiosos, o que pode levar a perda da ereção.

Segundo Carolina, tanto os meninos como as meninas precisam estar na relação com o corpo inteiro, para que relaxem e eles possam se doar. “Quando a pessoa inicia sua vida sexual com uma experiência ruim, ela faz uma imagem ruim do sexo, de dor e de vergonha, levando essa imagem para o resto da vida”.

As chances de engravidar e de contrair doenças sexualmente transmissíveis (DST) na primeira relação são menores?

Não. As chances de ocorrer uma gravidez e de transmitir uma doença são iguais em todas as relações sexuais, pois as pessoas estão expostas ao risco.

De acordo com o urologista, quando o adolescente é muito jovem, com 13 ou 14 anos, as chances de engravidar são mais baixas, pois o nível de produção de espermatozoides ainda não está regularizado. Mas é preciso saber que os riscos, apesar de menores, não são inexistentes, por isso é sempre necessário o uso de preservativo na relação.

A masturbação faz mal?

Não. A masturbação é um método eficiente de autoconhecimento, por isso é recomendado, tanto para homens quanto para mulheres, como uma prática importante antes de ocorrer a primeira relação sexual. Com esse exercício, as pessoas aprendem a fantasiar e conhecem melhor o corpo. No caso dos meninos, também é recomendado que utilize o preservativo no momento da masturbação, para que o homem pratique e se sinta seguro na hora agá. Segundo Carolina, esse é “o melhor exercício para a sexualidade. Não vai ter espinhas, nada. E ninguém precisa saber, pois é um ato íntimo”. Mas o doutor Nóbrega alerta que, apesar de não prejudicar, a masturbação em excesso pode causar problemas, principalmente na esfera psicológica. Além disso, os pais precisam orientar os filhos, mas a decisão de praticar deve ser do indivíduo.

É normal ter ejaculação precoce?

Nas primeiras relações, sim. A ejaculação precoce, por definição, é a ejaculação antes da penetração ou até dois minutos após a penetração vaginal. É muito comum ocorrer com adolescentes, pois eles são novatos, não sabem como se comportar e tendem a ser muito ansiosos. Mas, a partir do momento em que o jovem se autoconhece, a ansiedade diminui e a relação se torna mais estável, a tendência é que a ejaculação precoce diminua e atinja patamares normais. Segundo o urologista, acima de dois minutos é considerado normal. “Mas isso é variado, depende de cada homem”.

Veja Relacionados:  sexo, virgindade
sexo  virgindade 
 
Espalhe por aí:
  • RSS
  • Flickr
  • Delicious
  • Twitter
  • Digg
  • Netvibes
  • Facebook
  • Google
 
 
 
 

Fechar
Comunicar Erro

Preencha os campos abaixo para informar o R7 sobre os erros encontrados nas nossas reportagens.

Para resolver dúvidas ou tratar de outros assuntos, entre em contato usando o Fale Com o R7
Mensagem enviada com Sucesso!Erro ao enviar mensagem, tente novamente!

 

 


Shopping