Notícias ‘A gente está fazendo isso por todos nós’, diz professora

‘A gente está fazendo isso por todos nós’, diz professora

Agência Estado

Especialistas, educadores e pais que buscam uma educação antirrascista afirmam que a intenção dos projetos não é a de "ajudar o negro". E, sim, de transformar a sociedade, começando pela escola. "A gente está fazendo isso por todos nós", diz a professora do Vera Cruz Beatriz Olival, que tem três bolsistas na sala de 13 alunos.

"Não se pode apenas promover o acesso, com bolsa e contratações, é preciso dar qualidade para a permanência dessas pessoas negras. Senão, vai trazer só essa ideia de ‘colorimos o espaço’ ou de aliviar uma culpa", diz Juliana de Paula Costa, assessora para relações étnico-raciais. "O racismo está tão entranhado que ele escapa. Ele é horrível para as pessoas negras, mas também deforma o olhar do branco."

Por isso as escolas precisam ampliar suas referências, diz ela, conhecer autores africanos, asiáticos, sul-americanos. Fazer um censo racial da escola também é essencial para conhecer a comunidade. No Colégio Gracinha, essa foi uma das primeiras medidas. Depois de pronto, os alunos vão trabalhar os resultados e discuti-los.

"Soubemos que escolas estavam com projetos antirracistas e entendemos que também tínhamos de fazer algo. Da noite para o dia já tinham mais de 70 pais querendo contribuir", conta Roberta Raffaelli, mãe de alunas do Gracinha. O diretor Wagner Borja fala que teve inicialmente dificuldade em encontrar profissionais não brancos para contratar, até que uma professora criou um banco de currículos para ajudar as escolas. O Gracinha também deve ter em breve um programa de bolsas.

"É algo potente e positivo. Há muita divergência em como fazer, mas faz parte. É rico para o debate, todos têm a perfeita clareza que isso precisa acontecer", completa a diretora do Colégio Equipe, Luciana Fevorin. A escola também está analisando currículo e discutindo o tema com pais e professores. Há ainda debates iniciados no Bandeirantes, Móbile e Avenues.

A diretora pedagógica da Escola da Vila, Fernanda Flores, acredita que esse movimento dos colégios de elite felizmente deve se alastrar para muitos outros da rede privada. "Isso muda gerações e demora menos tempo quanto mais ágeis forem as escolas."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas