Bahia Campanha promove o combate à violência e exploração sexual de crianças e adolescentes 

Campanha promove o combate à violência e exploração sexual de crianças e adolescentes 

Atividades serão realizadas pela Bahia Norte nesta quinta-feira (18) 

Campanha promove o combate à violência e exploração sexual de crianças e adolescentes 

Ações pretendem sensibilizar e mobilizar as pessoas pelos direitos humanos das crianças e dos adolescentes

Ações pretendem sensibilizar e mobilizar as pessoas pelos direitos humanos das crianças e dos adolescentes

Record Minas

A partir desta quarta-feira (18), serão iniciadas atividades que objetivam combater a violência e a exploração sexual contra crianças e adolescentes. Para tanto serão distribuídos 30 mil panfletos em praças de pedágio e em escolas localizadas no entorno do Sistema de Rodovias BA-093, na região metropolitana de Salvador. As ações desenvolvidas pela Concessionária Bahia Norte pretendem sensibilizar e mobilizar as pessoas.

Leia mais notícias no R7 BA

Experimente grátis toda a programação da Record no R7 Play

A Concessionária realiza este trabalho de conscientização há cinco anos e também participará de um ato simbólico junto ao Comitê Estadual de Combate à Exploração Sexual amanhã. Todas as atividades serão realizadas em parceria com Ministério Público do Estado da Bahia, CEDECA, Comunidades e escolas do Sistema de Rodovias BA 093 e Via Metropolitana.

Segundo dados da SDH (Secretaria de Direitos Humanos), em 2015, Salvador registrou quatro mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes. O número representou 21% das 20 mil queixas relacionadas a violações de direitos da população infantojuvenil.

O dia

O dia 18 de maio demarca a luta pelos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes no território brasileiro.  Esse dia foi escolhido porque em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o país ficando conhecido como o “Caso Araceli”.  Araceli tinha oito anos e teve todos os seus direitos humanos violados. Foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta daquela cidade. O crime, apesar de sua natureza apavorante, até hoje está impune.