Jovem agredido com um soco tem morte cerebral em Salvador

Kaíque Abreu, de 22 anos, foi agredido enquanto voltava do circuito Barra-Ondina (Dodô) de Carnaval na madrugada da última sexta-feira (9)

Ainda não há informação sobre o enterro do jovem

Ainda não há informação sobre o enterro do jovem

Reprodução / Instagram

Morreu nesta quarta-feira (14) o jovem Kaíque Abreu, de 22 anos, que foi agredido no bairro da Graça, em Salvador, enquanto voltava do circuito Barra-Ondina (Dodô) de Carnaval, na madrugada da última sexta-feira (9). Esta é a primeira morte durante a folia soteropolitana registrada em 2018.

A informação de morte cerebral foi confirmada à produção do R7 e da RecordTV Itapoan por familiares de Kaique e pela delegada responsável pelo caso, Carmen Dolores.

O jovem voltava sozinho do circuito Dodô após se perder dos amigos. Quando passou na Rua Manoel Barreto, ele foi atacado. A vítima foi agredida com um murro na boca. O golpe derrubou o rapaz, que levou chutes na cabeça.

Segundo a polícia, a agressão foi "gratuita", porque o suspeito fugiu sem levar nada.

Dois acusados de envolvimento no caso foram presos pela Polícia Civil também nesta quarta-feira. Câmeras de residências do local registraram o momento do crime

Ainda não há informação sobre o enterro do jovem.

Morte cerebral

A morte cerebral ou morte encefálica é quando o cérebro e o tronco cerebral perdem irreversivelmente as suas funções e é o fator utilizado pelos médicos para determinar se um paciente está morto ou não. Legalmente também é usado este critério.

A pessoa com morte cerebral pode ter seu coração ainda batendo por algum tempo, mas ela não é mais capaz de respirar nem digerir comida sem a ajuda de aparelhos e não possui chances de se recuperar.

São feitos, ao menos, três exames para constatar a perda irreversível do funcionamento dos órgãos.

Leia mais do R7 Bahia, portal de notícias da RecordTV Itapoan