Protestos pelo Brasil
Bahia Pacíficas, manifestações contra o governo Dilma reúnem 10 mil na orla de Salvador

Pacíficas, manifestações contra o governo Dilma reúnem 10 mil na orla de Salvador

Ato pediu o impeachment da presidente Dilma Rousseff e o fim da corrupção

Pacíficas, manifestações contra o governo Dilma reúnem 10 mil na orla de Salvador

Manifestantes se concentraram no Farol da Barra e seguiram pela Orla de Salvador

Manifestantes se concentraram no Farol da Barra e seguiram pela Orla de Salvador

Markus Miranda

Muita gente concentrada, Farol da Barra e barulho! Pode parecer, mas não era Carnaval. As duas manifestações contra o governo Dilma Rousseff que aconteceram neste domingo (15), reuniram mais de dez mil pessoas em Salvador.

Leia mais notícias no R7 BA

Os baianos se concentraram em um dos principais cartões postais da capital baiana. Com gritos de ordem e apitaço, os manifestantes, que vestiam verde e amarelo e carregavam bandeiras do Brasil, pediam o fim da corrupção e a saída de Dilma do poder.

Pacíficos, as manifestações foram realizadas em dois turnos: um pela manhã, por volta das 9h30, e outra à tarde, às 16h.

Manhã:

Por volta das 9h30, milhares de pessoas se concentraram no Farol da Barra para o início da primeira manifestação contra a corrupção no País. Nem mesmo a insistente chuva que teimou em cair pela manhã, afastou os manifestantes, que não paravam de chegar ao ponto turístico e de “encontro das revoltas”.

Vestindo camisas do Brasil, em prova de amor a Pátria, os manifestantes começaram a deixar o Farol e seguiram pela orla, fazendo um apitaço para chamar atenção contra a corrupção. Pouco tempo depois, o grupo fez um coro e cantou: “Sou Brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”. Por volta das 12h30, os manifestantes dispersaram.

Movimento foi ordeiro e reuniu homens, mulheres, crianças, jovens e idosos

Movimento foi ordeiro e reuniu homens, mulheres, crianças, jovens e idosos

Markus Miranda

O medo de possíveis brigas e confusões afastou algumas pessoas da manifestação. Mas, o empresário e engenheiro Luiz Augusto Costa de Resende, que foi advertido sobre os riscos pela esposa e filha, preferiu ir protestar.

— Eu estou indignado com essas coisas que estão acontecendo no Brasil. Cabe ao povo, assim como vota, cobrar de quem está lá em cima, que venha proporcionar realmente uma condição.

Mas, segundo a PM (Polícia Militar), o movimento foi ordeiro e reuniu seis mil pessoas, entre homens, mulheres, crianças, jovens, e idosos.

Para o empresário, essas manifestações que estão acontecendo em várias cidades no Brasil são relevantes para mudar a situação que o País está enfrentando.

— Se tem uma coisa que político se preocupa é com a imagem na boca do povo. Como o povo está se manifestando aqui, sem violência, mostrando a indignação, eu acredito que essas manifestações pelo Brasil vão surtir algum efeito, sim!

Tarde:

À tarde, os manifestantes voltaram a se reunir no ponto turístico. Desta vez, cerca de cinco mil pessoas compareceram ao protesto, que saiu do Farol da Barra e seguiu pela Orla até o bairro de Ondina.

Pedindo o fim da corrupção e por um Brasil melhor, os manifestantes chamavam quem estava nas varandas das casas, restaurantes e hotéis para se juntar ao grupo e protestar com gritos de “vem pra rua”.

O mestre em construção civil Elias Nunes, que participou do ato, afirmou que o movimento é apartidário e que mostra a insatisfação do povo com o governo federal.

— O Brasil precisa protestar, vamos mudar o disco, vamos mudar o País. Nós mandamos no Brasil e não eles (políticos). Somos um movimento apartidário, o movimento brasileiro da insatisfação.​

A empresária Ana Borba, 51 anos, concorda com Elias e disse que é a favor do impeachment da presidente. Ela afirmou estar revoltada com tudo que está acontecendo no País.

— A gente fica revoltada com tanta coisa acontecendo e ninguém sabia de nada. Por que estão lá se não sabem nada?

Houve um pouco de tensão, quando os manifestantes se aproximaram da barreira armada pela polícia e decidiram seguir até Ondina, mas não houve proibição e a caminhada continuou de forma tranquila e logo se dispersou.

    Access log