ok Padilha mostra que está pronto para enfrentar Alckmin

Terminou nesta quinta-feira a primeira rodada das sabatinas que fizemos no Jornal da Record News, transmitidas também ao vivo pelo portal R7 todos os dias, desde a semana passada, sempre às quatro da tarde. Para hoje, estava prevista a participação de Geraldo Alckmin, que lidera as pesquisas, mas a assessoria do PSDB informou que o governador não tinha espaço na agenda. Paulo Skaf, presidente da Fiesp, candidato do PMDB, segundo colocado nas pesquisas, alegou o mesmo motivo para não atender ao nosso convite.

Até se entende a ausência de Alckmin, já que o governador passou uma semana de sufoco com a ameaça de racionamento de água, mas Skaf está há tempos fora do noticiário e sem que se saiba onde faz campanha, desde que foi denunciado o uso de R$34 milhões do sistema Sesi em propaganda que o beneficiou pessoalmente, provocando uma ação do PSDB na Justiça.

Das sabatinas de que participei,  junto com Heródoto Barbeiro e Marco Antônio Araújo, quem me surpreendeu mais positivamente, já que nunca o havia entrevistado antes, foi o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, candidato do PT, que vem percorrendo o interior de São Paulo em caravanas feitas de ônibus desde o início do ano.

Pareceu-me o mais animado e bem preparado para enfrentar a hegemonia de 20 anos de governos tucanos em São Paulo. Como bem observou Heródoto, qualquer que fosse a questão levantada por nós, Padilha tinha um objetivo definido, o de criticar os pontos negativos do governo Alckmin e mostrar o que pretende fazer caso seja eleito, falando em tom pausado e didático.

Com números e dados na ponta da língua, o candidato petista foi firme nas respostas, mesmo quando colocado diante de denúncias que surgiram contra o Ministério da Saúde nos últimos dias, e defendeu com firmeza o programa Mais Médicos por ele formulado e executado, deixando claro que esta será sua principal bandeira na campanha.

Claro que posso estar enganado, mas Padilha me deu a impressão de ser o candidato mais sólido e com mais condições de vencer que o PT já teve em São Paulo, um Estado que nunca governou. Com Lula de principal cabo eleitoral, o petista tem certeza de que irá para o segundo turno e está pronto para enfrentar o governador Alckmin. A cinco meses e meio das eleições, a campanha em São Paulo ainda não pegou no breu e assim as sabatinas da Record News foram a primeira oportunidade para os candidatos se apresentarem e mostrarem suas propostas. Agradeço a todos os que atenderam ao nosso convite.

Bom final de semana aos amigos do Balaio e também aos inimigos, se os houver.

http://r7.com/YtJR