Eleições 2018
Brasil Agressor diz que ataque a Bolsonaro foi motivado por 'questões pessoais'

Agressor diz que ataque a Bolsonaro foi motivado por 'questões pessoais'

Adelio Bispo de Oliveira prestou depoimento à Polícia Militar de Minas Gerais após esfaquear o candidato à Presidência

Ataque Bolsonaro

Adelio Bispo de Oliveira foi responsável pelo ataque

Adelio Bispo de Oliveira foi responsável pelo ataque

Divulgação

A PM-MG (Polícia Militar de Minas Gerais) confirmou que Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, foi o responsável por esfaquear o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) no início da tarde desta quinta-feira (6), em Juiz de Fora. O homem que atacou o presidenciável alegou, ao prestar depoimento à polícia, que agiu motivado por "questões pessoais".

A informação foi dada pelo coronel Alexandre Nocelli, comandante da quarta região da Polícia Militar de Juiz de Fora. O comandante confirmou que a segurança do candidato era feita por agentes da Polícia Federal, e não por policiais militares, e que a arma foi uma faca. Ainda de acordo com o PM, Adelio foi agredido enquanto era escoltado até a delegacia da Polícia Federal na cidade.

Cirurgia contém hemorragia, mas estado de Bolsonaro ainda é grave

Bolsonaro caminhava pelas ruas do centro de Juiz de Fora e era carregado nos ombros quando Adelio se aproximou e desferiu uma facada na região do abdômen. A polícia informou que abrirá um inquérito para apurar o ataque ao candidato.

Em nota divulgada pela Polícia Federal (PF), a corporação afirma que Bolsonaro "contava com a escolta de policiais federais quando foi atingido por uma faca durante um ato público". A mensagem ainda diz que "o agressor foi preso em flagrante e conduzido para a Delegacia da PF naquele município. Foi instaurado inquérito policial para apurar as circunstâncias do fato."

Apoiador descumpriu regra ao carregar Bolsonaro nos ombros

Em seu perfil no Facebook, Oliveira tem muitos posts com teor político, e com críticas a Bolsonaro. A frase que o define na rede social é "Não importa em que partido tu militas, nem a ideologia em que acreditas, ou que fé tu praticas. Se tens prazer no triunfo da justiça, então somos irmãos".

O advogado de defesa diz ter ficado surpreso com a informação quando soube que trava-se de Adelio. "Fiquei muito surpreso quanto soube que era o Adelio. Tive pouco contato com ele mas até onde conheci não parecia uma pessoa violenta. Ele era servente de pedreiro", disse o advogado Pedro Tiago Oliveira Santos que defende Adelio em uma ação trabalhista.