Alvaro Dias rebate Bolsonaro sobre ação contra taxa de cheque especial

Partido de senador ingressou com processo no Supremo Tribunal Federal contra cobrança de tarifa na modalidade de crédito que começou a valer dia 6

Alvaro Dias rebateu presidente pelas redes sociais

Alvaro Dias rebateu presidente pelas redes sociais

Reprodução/RecordTV

O líder do Podemos no Senado, Alvaro Dias (PR), respondeu, em suas redes sociais, a crítica do presidente da República, Jair Bolsonaro, à decisão do seu partido de entrar com uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) contra a cobrança de tarifa no cheque especial.

Na publicação de Bolsonaro, feita na manhã deste sábado (11), o presidente questiona a quem interessaria a ação do Podemos: "Aos pobres ou aos banqueiros?"

Leia também: Bolsonaro critica ação do Podemos contra tarifa no cheque especial

"Caro Sr. Presidente @Jair, ao PODEMOS interessa todos os brasileiros", responde Alvaro Dias.

Desde o último dia 6, os juros cobrados no cheque especial estão limitados a 8% ao mês, conforme as novas regras estabelecidas pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), mas os bancos podem cobrar uma taxa de até 0,25% sobre limites superiores a R$ 500.

O senador, em sua publicação, diz que o partido é contra a cobrança de tarifa no cheque especial para todos os brasileiros e destaca que o juro de 8% ao mês ainda é mais alto do que a taxa Selic, atualmente em 4,5% ao ano.

Leia mais: Bolsonaro diz que taxa do cheque especial cairá 'mais ainda'

"Veja como a conversa da tarifa para reduzir juros é um estelionato retórico. Os 8% mensais foram utilizados para não mencionar que continuam a astronômicos 151% ao ano, considerando juros compostos", reforça ele, citando que esse porcentual é muito superior a países como Portugal e Espanha.

Dias também ressalta que o lucro dos bancos deve ser recorde em 2019 e que o spread bancário brasileiro "alterna a liderança" no ranking mundial.

"Não temos dúvidas que o abatimento dos juros exorbitantes cobrados ilegalmente pelos bancos, em forma de juros sobre juros e a proibição dessa prática de maneira efetiva deveria ser o trabalho do governo pelo interesse dos pobres. Se assim o fizesse, Sr. Presidente, com certeza seu nome passaria melhor para a história como aquele que cuida do 'Bolso' dos que mais precisam", critica Dias.

"Por fim, devolvemos a pergunta: A quem interessa a ação do Banco Central do governo Bolsonaro de criar a tarifa do cheque especial. Aos pobres ou aos banqueiros?"