Brasil Após distância, Haddad aparece com Dilma em viagem eleitoral a MG

Após distância, Haddad aparece com Dilma em viagem eleitoral a MG

Haddad tem procurado colar sua imagem à de Lula e manter certa distância de Dilma, que deixou o governo com baixos índices de aprovação 

Fernando Haddad

Haddad tem colado sua imagem à de Lula e mantido certa distância de Dilma

Haddad tem colado sua imagem à de Lula e mantido certa distância de Dilma

Paulo Whitaker/Reuters - 19.09.2018

Um dia depois de participar do primeiro debate como presidenciável e ser questionado pelos rivais sobre denúncias de corrupção contra seu partido e a crise econômica, o candidato Fernando Haddad (PT) participou na sexta-feira (21) de um ato de campanha ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff, em Ouro Preto (MG). Foi a primeira viagem de Haddad como candidato à Presidência a Minas Gerais, segundo maior colégio eleitoral do País.

O presidenciável negou qualquer atrito com Dilma, candidata ao Senado, e abraçou a ex-presidente. “Às vezes vocês adoram inventar”, disse Dilma. Desde que foi oficializado candidato do PT, Haddad tem procurado colar sua imagem à de Lula e manter certa distância regulamentar de Dilma, que deixou o governo com baixos índices de aprovação popular. Além disso, até o ano passado, o ex-prefeito era um dos principais críticos do governo da ex-presidente e agora sai em sua defesa.

Na sexta-feira (21), Haddad voltou a falar que Dilma sofreu uma “sabotagem” durante o período que antecedeu o impeachment da ex-presidente, em 2016. “A sabotagem começou no dia da eleição, e o próprio PSDB reconheceu isso”, disse Haddad, se referindo à entrevista dada pelo ex-presidente do PSDB Tasso Jereissati, ao jornal Estado de S. Paulo.

Haddad afirmou que, se eleito, fará um acerto de contas sem revanchismo. “Vamos fazer um acerto de contas sem revanchismo, sem ódio. Queremos que vocês, que o povo brasileiro, mande no Brasil. Eles têm que aprender a respeitar o resultado das urnas.”

Cabos eleitorais

Além de Dilma, o ex-prefeito de São Paulo esteve acompanhado da candidata a vice-presidente, Manuela d’Ávila, do PCdoB, do governador mineiro, Fernando Pimentel, candidato à reeleição pelo PT, da postulante a vice-governadora, Jô Moraes, do PCdoB, e também do segundo candidato ao Senado da coligação, Miguel Corrêa, também do PT, que esteve presente em um ato de campanha da chapa mineira pela primeira vez.

No discurso, na Praça Tiradentes, um dos principais pontos turísticos de Ouro Preto, Haddad lembrou de suas ações quando esteve à frente do Ministério da Educação, durante o governo Lula. O ex-prefeito de São Paulo falou sobre ter transformado a cidade histórica em “cidade universitária”, e lembrou também da criação da criação das cotas universitárias, voltada para estudantes de escolas públicas e de classe baixa.

Além do ato público de campanha, Haddad visitou o Museu da Inconfidência e assinou uma “carta-compromisso” com medidas voltadas para a cultura nacional. “É um compromisso com a nossa história, vamos fazer alterações na legislação de fomento à cultura, para incorporar uma parcela do orçamento voltado para o patrimônio histórico”, disse o petista, após lembrar do incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, no dia 2 de setembro.

Haddad evitou fazer qualquer crítica ao candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes. "O Ciro às vezes diz uma coisa e às vezes diz outra.” 

    Access log