Brasil Após reunião com Bolsonaro, Bivar diz ver 'boa vontade' de partidos

Após reunião com Bolsonaro, Bivar diz ver 'boa vontade' de partidos

Presidente do PSL minimizou os problemas do governo em formar uma base aliada no Congresso Nacional

Luciano Bivar

Bivar se reuniu com Bolsonaro nesta quarta-feira (10)

Bivar se reuniu com Bolsonaro nesta quarta-feira (10)

Reprodução/Facebook

Após encontro com o presidente Jair Bolsonaro nesta quarta-feira (10), o presidente do PSL, Luciano Bivar, minimizou os problemas do governo em formar uma base aliada no Congresso.

"Base aliada é esta que está aí, todos que vieram agora visitar o presidente se comprometem com as reformas do governo, essa que é a base aliada. Essa é uma coisa meio subjetiva", disse Bivar a jornalistas, acrescentando que vê "boa vontade muito grande de todos os partidos estarem na mesma convergência que está o Planalto".

Quando questionado sobre o fato de os partidos não estarem fechando questão para a votação da reforma da Previdência, Bivar afirmou que a prática é "uma coisa meramente de concepção".

"Fechar questão é uma coisa meramente de concepção. O PSL, por exemplo, fechou questão por simbolismo, porque todos os parlamentares do partido estão de acordo com a reforma", respondeu Bivar, afirmando que Bolsonaro está "feliz com o partido". "Reforma não é algo isolado de um presidente, de um partido, é uma reforma que o povo clama", disse o presidente do PSL.

Bivar ainda fez um aceno ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmando que o parlamentar está empenhado em aprovar a reforma da Previdência. "É uma pessoa dedicada ao melhor do nosso país", disse Bivar ao destacar que tem "absoluta convicção de que a reforma irá passar".

O presidente do PSL disse também que está tudo certo com a articulação do partido em torno da reforma. "Segunda-feira terá mais uma discussão na Comissão de Constituição e Justiça e terça-feira vamos fazer a votação do relatório, que tenho absoluta certeza que será aprovado pela CCJ", completou.

Questionado ainda sobre a articulação feita com o Congresso pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, Bivar afirmou que o ministro "tem feito o máximo". "E é uma posição da Casa Civil em relação a todo o Parlamento para que as coisas sejam filtradas, para ver o que o governo realmente pode atender. Para que se faça administração dentro dos parâmetros republicanos", afirmou o presidente do PSL.

Perguntado sobre as próximas viagens de Bolsonaro, Bivar disse que o presidente pretende viajar para China, Coreia e Japão.