Brasil Artistas se mobilizam e engrossam coro contra conselhos populares

Artistas se mobilizam e engrossam coro contra conselhos populares

Músicos Lobão e Roger e o apresentador Danilo Gentili disparam contra decreto federal

Artistas se mobilizam e engrossam coro contra conselhos populares

Artistas usam as redes sociais para militar contra decreto federal que cria conselhos populares

Artistas usam as redes sociais para militar contra decreto federal que cria conselhos populares

Montagem/R7

Vários artistas, celebridades e pensadores brasileiros, engajados em causas políticas e sociais, se mobilizaram e abraçaram a ideia de derrubar o decreto federal que cria conselhos populares para ajudar o Executivo a tomar decisões relevantes para o País.

Os músicos Lobão e Roger, vocalista da banda Ultraje a Rigor, e o apresentador Danilo Gentili usaram as redes sociais para criticar o decreto federal 8.243/14, que trata da Política Nacional de Participação Social, um sistema de interação popular associado ao governo federal.

Os três acompanharam a votação da urgência do projeto que suspende o decreto que institui os conselhos populares. Em sua conta oficial no Twitter, Lobão compartilhou a mensagem postada pelo ex-deputado estadual Romeu Tuma Jr., autor do livro Assassinato de Reputações, que critica o governo do ex-presidente Lula.

— Acabou a Festa, é bom acabar com a Farra! Cobrança total e diuturna aos políticos e aos candidatos sobre a anulação do Decreto 8.243/14!

Deputados comparam conselhos populares a órgãos comunistas

Leia mais notícias de Brasil e Política

O apresentador Danilo Gentili também disparou contra o decreto que cria os conselhos populares. Ele retuitou uma mensagem que dizia: “E SEM DITADURA BOLIVARIANA! RT @PrisciIlIa: 294 votam CONTRA o decreto bolivariano d BANDO. Vão se lascar seus bandidos. O  Brasil é NOSSO.” (sic)

O vocalista da banda Ultraje a Rigor, Roger, também postou diversas imagens e mensagens contrárias aos conselhos consultivos. Um dos textos retuitados por Roger, no dia da votação da urgência da votação da suspensão do decreto, dizia: “VAMOS LÁ GENTE!!! Vamos continuar pressionando,ligando p 0800-619-619! Não podemos baixar a guarda! #TodosContraDec8243 (sic)”.

Outro crítico do projeto de criação de conselhos populares é o filósofo e colunista do jornal Folha de S.Paulo Luiz Felipe Pondé. Ele classificou a criação de conselhos populares como um “golpe totalitário indireto”. Em entrevista à TV Cultura, na semana passada, Pondé explicou que “esse tipo de prática que é bem ao gosto da sensibilidade bolivariana, que destruiu a Venezuela e Cuba, entre outros países”.

— Esses conselhos populares são, na realidade, uma espécie de aparelhamento do Estado indireto, por grupos militantes. O povo passa o tempo cuidando da própria vida, o que é normal: trabalhando, pagando conta, levando o filho para a escola. [...] As pessoas que se ocupam com esses conselhos populares são pessoas que representam um aparelhamento da vida democrática. É uma espécie de golpe totalitário indireto em que você vai ter uma gama de militantes profissionais, que não fazem nada da vida, além disso, cercando os órgãos legislativos do País para fazer com que, supostamente representando a população, eles vão transformando o País naquilo que eles querem.

Vale lembrar que, em junho, Lobão e Danilo Gentili foram alvo — ao lado de outros comunicadores como Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Diogo Mainardi e Marcelo Madureira — de um artigo do vice-presidente nacional do PT, Alberto Cantalice.

Segundo Cantalice, as “pregações” desses comunicadores “nas páginas dos veículos conservadores estimulam setores reacionários e exclusivistas da sociedade brasileira a maldizer os pobres e sua presença cada vez maior nos aeroportos, nos shoppings e nos restaurantes”.