Brasil Atacado de medicamentos lidera emissão de notas fiscais em 2020

Atacado de medicamentos lidera emissão de notas fiscais em 2020

Setor de livros também se destacou, com crescimento de 158% em relação a 2019. No geral, aumento foi de 12,95% desde ano de 2019

Especialista afirma que emissão de notas fiscais deve crescer ainda mais no futuro

Especialista afirma que emissão de notas fiscais deve crescer ainda mais no futuro

Pikrepo

 Com 133 milhões de NFEs (Notas Fiscais Eletrônicas) emitidas, o comércio atacadista de medicamentos liderou a economia no ano de 2020, que apresentou crescimento geral de 12,95% de notas emitidas em comparação com 2019. Em números absolutos foram mais de 3 bilhões de NFEs emitidas no ano passado, totalizando um valor de R$ 17,51 trilhões.

Os dados fazem parte de um estudo desenvolvido pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) e a empresa de inteligência fiscal Systax.

Depois do setor de medicamentos, as atividades que mais geraram emissão de notas fiscais foram as relacionadas a venda de cervejas e refrigerantes (111,6 milhões) e de produtos alimentícios (101,3 milhões).

Já em termos percentuais, o setor de livros foi o que teve maior destaque, com crescimento de 158% das notas emitidas em relação a 2019, seguido do comércio de cosméticos, perfumaria e higiene (74,50%) e o de vestuário e acessórios (67,96%).

"Estas atividades varejistas tiveram o crescimento na emissão de NFEs principalmente por conta do avanço do e-commerce neste período de isolamento social”, explicou o diretor de negócios do IBPT, Carlos Pinto. 

“Foram mais de 3 bilhões de Notas Fiscais Eletrônicas emitidas apenas em 2020 e, possivelmente, este dado poderá crescer nos próximos anos. Esse crescimento é acompanhado também do aumento de mais de 10% no número de empresas emissoras de NF-e", prevê o CEO da Systax, Jerson Prochnow.

O especialista, porém, afirma que o crescimento da geração deve ser acompanhado da tributação correta das empresas e fornecedores. 

Últimas