STF

Brasil Audiência de custódia decide prisão de Daniel Silveira nesta quinta

Audiência de custódia decide prisão de Daniel Silveira nesta quinta

Sessão deve determinar se deputado federal do PSL continuará preso ou não após fazer ameaças a ministros do STF

  • Brasil | Gabriel Croquer, do R7

Resumindo a Notícia

  • Prisão em flagrante será revogada, convertida em temporária ou em preventiva na audiência
  • Câmara deve aguardar resultado da audiência para decidir sobre prisão do deputado
  • Episódio pode gerar atrito entre Câmara dos Deputados e Supremo Tribunal Federal
  • Silveira foi preso anteontem depois de disparar críticas contra o STF e exaltar ato da Ditadura
O deputado federal Daniel Silveira (PSL-PSL), que passou pelo IML do Rio de Janeiro

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-PSL), que passou pelo IML do Rio de Janeiro

BETINHO CASAS NOVAS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO-17/02/2021

Acontece nesta quinta-feira (18), às 14h30, a audiência de custódia do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), preso em flagrante após fazer ameaças a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Na ocasião, realizada por vídeoconferência na sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro, será decidido se o deputado continuará preso. 

Desta forma, a prisão em flagrante poderá ser revogada pelo juiz, convertida em prisão temporária (prazo de cinco dias, prorrogáveis por mais cinco) ou em prisão preventiva (sem prazo fixo, a ser reavaliado a cada 90 dias). Aírton Vieira, que presidirá a sessão, é juiz instrutor do gabinete do ministro do STF, Alexandre de Moraes, o responsável pelo pedido de prisão do parlamentar. 

Moraes expediu o pedido na noite desta terça-feira (16), depois que o deputado Daniel Silveira publicou o vídeo com ameaças aos ministros da corte em suas redes sociais. No mesmo dia, Silveira foi preso e encaminhado à sede da Polícia Federal, na cidade do Rio de Janeiro, de onde participará da conferência. O Supremo confirmou nesta quarta-feira (17), por unanimidade, a decisão de Moraes. 

A prisão de Silveira marca o primeiro desgaste entre STF e Câmara dos Deputados desde que o deputado Arthur Lira (PP) assumiu a presidência da Casa, há duas semanas. Aliados de Lira temem que a decisão leve a uma nova crise entre o Judiciário e o Legislativo.

Por este motivo, a Câmara dos Deputados deve aguardar o resultado da audiência de custódia para decidir sobre a prisão do deputado. Toda vez que um parlamentar é preso, a Câmara tem que votar pela revogação ou manutenção da prisão. 

Entenda a prisão

No despacho da prisão, Moraes disse que "as manifestações do parlamentar Daniel Silveira, por meio da redes sociais, revelam-se gravíssimas, pois, não só atingem a honorabilidade e constituem ameaça ilegal à segurança dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, como se revestem de claro intuito visando a impedir o exercício da judicatura, notadamente a independência do Poder Judiciário e a manutenção do Estado Democrático de Direito."

O ministro determinou ainda que o YouTube retire o vídeo publicado por Silveira sob pena de multa de R$ 100 mil por dia. "As condutas criminosas do parlamentar configuram flagrante delito, pois na verifica-se, de maneira clara e evidente, a perpetuação dos delitos acima mencionados, uma vez que o referido vídeo permanece disponível e acessível a todos os usuários da rede mundial de computadores", argumentou, para justificar a prisão em flagrante.

Em junho do ano passado, o deputado foi alvo de buscas e apreensões pela Polícia Federal e teve o sigilo fiscal quebrado por decisão do ministro Alexandre de Moraes, no mesmo inquérito aberto pelo STF que apura ameaças contra integrantes do tribunal. Em depoimento na época, o parlamentar negou produzir ou repassar mensagens que incitassem animosidade das Forças Armadas contra o Supremo ou seus ministros.

Daniel Silveira está em seu primeiro mandato na Câmara. Ele ficou conhecido nacionalmente durante a campanha de 2018, por destruir uma placa de rua que homenageava a vereadora Marielle Franco, assassinada a tiros por milicianos em março daquele ano.

Últimas