Ausência de mídia local na maioria das cidades afeta 37 mi no país

Conceito inclui locais onde não há veículo local de imprensa para informar a população sobre o que ocorre na cidade

Situação é pior no Nordeste e Norte

Situação é pior no Nordeste e Norte

Pixabay

A maior parte dos municípios brasileiros, 62,6% do total, são "desertos de notícias" — onde não há veículo local de imprensa para informar a população sobre o que ocorre na cidade.

Nessa situação, vivem 37,4 milhões de pessoas, de acordo com levantamento realizado pelo Atlas da Notícia — publicado nesta quarta-feira (11). Nordeste (73,5% dos municípios) e Norte (71 8%) são as regiões com maior proporção de "desertos". Em Estados dessas regiões, a porcentagem é maior: Tocantins (89,2%), Rio Grande do Norte (85,6%), Piauí (83%) e Paraíba (81,6%).

Há ainda os "quase desertos" de notícias - 19,2% dos municípios. São localidades que têm apenas um ou dois veículos jornalísticos. Ao menos 27,5 milhões de brasileiros vivem em cidades assim, segundo a pesquisa do Projor (Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo).

Eleição

Isso quer dizer que 64,8 milhões de pessoas — ou 31% da população nacional — podem ficar mal informadas sobre o poder público municipal para as eleições do ano que vem.

"Nas eleições passadas, de 2016, não se colocava a atenção que se coloca agora sobre desinformação", afirmou o jornalista Sérgio Lüdtke, editor-chefe do projeto Comprova, coalizão para checar boatos formada por 24 veículos de comunicação, incluindo o Estado. "Agora temos grupos que abastecem as redes com conteúdo malicioso e as pessoas continuam muito suscetíveis a esse tipo de informação", afirmou.

O projeto teve apoio de 193 colaboradores e de 22 escolas de jornalismo, além da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) e da Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação). O financiamento é do Facebook Journalism Project.