Brasil Bolsonaro admite que, se o povo quiser, volta o horário de verão 

Bolsonaro admite que, se o povo quiser, volta o horário de verão 

O presidente foi questionado em entrevista hoje se a medida não seria útil neste momento para alguns setores da economia 

  • Brasil | Do R7

Bolsonaro ameniza ameaça: sem voto impresso, não haverá eleições "democráticas"

Bolsonaro ameniza ameaça: sem voto impresso, não haverá eleições "democráticas"

Facebook / Reprodução 02-08-2021

O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta segunda-feira (2) que o horário de verão pode voltar a vigorar no país, desde que essa seja a vontade da população. Ele sugeriu enquetes em rádios para saber o que os brasileiros pensam dessa medida.

Em entrevista à Rádio ABC, de Novo Hamburgo (RS), nesta segunda, ele foi questionado como via os pedidos de setores da economia que sugerem a medida de adiantar em uma hora os relógios do país durante primavera e verão com o objetivo de conter os gastos de energia em regiões que têm mais luz solar.

O país enfrenta uma dura crise hídrica em 2021, que encarece os preços da energia.

O horário de verão poderia servir para atenuar esses aumentos de consumo em regiões como o Nordeste, que têm sol mais tempo do dia. Com luz natural em horários nos quais as pessoas já estão em casa, consome-se menos luz elétrica. 

Bolsonaro defende fim do horário de verão: 'Medida não traz ganho'

O horário de verão acabou no país em abril de 2019 com um decreto de Bolsonaro

"Lá atrás alguns parlamentares me procuraram para pôr um fim no horário de verão. Eu também queria, confesso. Então pedi um estudo para o ministro Bento Albuquerque [Minas Energia] e chegamos à conclusão de que não economizava energia como se falava. E a maioria da população era favorável ao término. Se mudarem de posição, eu sigo o que quiserem, sou um democrata", argumentou.

Bolsonaro afirmou que o governo entende que para determinados setores o faturamento melhora com o aumento da luminosidade em algumas regiões e a extensão do período de consumo. "Sabemos que as pessoas ficam mais tempo no comércio, e nós do governo pesamos isso, mas no momento não vejo clima para essa mudança. Mas se o povo quiser, eu faço isso aqui."

Ele sugeriu à rádio que o entrevistava que fizesse uma enquete com seus ouvintes sobre o assunto e comentou que repetirá o pedido a uma outra emissora que costuma escutar.

Mourão "atropela o governo"

Nos 50 minutos de conversa, o presidente declarou ainda que o vice Hamilton Mourão "às vezes atropela o governo" em suas declarações, mas é natural que ele tenha suas opiniões. 

"Converso com ele esporadicamente, ele tem uma vida quase independente. Eu não tenho problema com o Mourão. O vice, como diz o ditado popular, é como o cunhado: você casa com aquela mulher maravilhosa e o vice vem junto. Mas ele não tem atrapalhado em nada", brincou.

Bolsonaro voltou a defender o voto impresso, mas amenizou a ameaça que havia feito há algumas semanas, de que sem a mudança não haveria eleições em 2022.

"Não haverá eleições democráticas", remendou. 

Disse que não pode ocorrer de um eleitor votar em um verador e esse candidato não receber um único voto município. "E isso aconteceu em cententas de locais pelo país", afirmou. 

Últimas