Bolsonaro afirma que protocolo da cloroquina será mudado hoje

Presidente disse que medicamento deve ser usado logo nos primeiros sintomas; ministro Teich diz que falta comprovação sobre eficácia

Bolsonaro quer que Teich reveja seu posicionamento

Bolsonaro quer que Teich reveja seu posicionamento

REUTERS/Adriano Machado

O presidente Jair Bolsonaro afirmou a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada que o protocolo de uso da cloroquina será mudado pelo Ministério da Saúde nesta sexta-feira (15) para incluir o uso desde os primeiros sintomas do coronavírus, apesar de o ministro Nelson Teich ter alertado para a falta de comprovação cientifica de eficácia e os efeitos colaterais.

"O protocolo deve ser mudado hoje porque o Conselho Federal de Medicina diz que pode usar desde o começo então. É direito do paciente", disse Bolsonaro ao responder a um apoiador que perguntava sobre o uso do medicamento.

Leia também: Bolsonaro defende divulgação na íntegra de reunião

"O médico na ponta da linha é escravo do protocolo. Se ele usa algo diferente do que está ali e o paciente tem alguma complicação ele pode ser processado", acrescentou.

O presidente voltou a defender o uso da cloroquina nos últimos dias, depois de ter deixado o assunto de lado por algumas semanas. Apoiadores de Bolsonaro começaram a cobrar pelas redes sociais o ministro Teich depois de ele ter dito que remédio não seria a solução para a epidemia.

Pesquisas recentes não mostram resultados relevantes do uso da cloroquina no tratamento de pacientes com covid-19.

Ainda assim, atendendo seus apoiadores, Bolsonaro voltou a cobrar do ministério a mudança no protocolo --que só atendia o uso em pacientes graves-- e, na quinta-feira, disse, em reunião com empresários, que estava exigindo a mudança de Teich.

O presidente depois teve uma reunião com o ministro que inicialmente não estava na agenda.