Bolsonaro anuncia fechamento da fronteira entre Brasil e Venezuela

Decisão foi tomada para impedir o colapso do sistema de saúde de Roraima, mas será mantido o transporte de mercadorias

O presidente Jair Bolsonaro anunciou o fechamento da fronteira em Roraima

O presidente Jair Bolsonaro anunciou o fechamento da fronteira em Roraima

BRUNO ROCHA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira (17) que o governo editará uma portaria para fechamento da fronteira entre Brasil e Venezuela, mantendo apenas a passagem de mercadorias, por causa do coronavírus.

Leia também: Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

Segundo o presidente, a decisão foi tomada para impedir o colapso do sistema de saúde de Roraima, mas não é preciso fechar totalmente a fronteira porque existe uma dependência da economia do estado do comércio com a Venezuela.

“Amanhã tem uma portaria. Não é fechamento total. O tráfego de mercadorias vai continuar acontecendo... Se você fecha o tráfego lá com a Venezuela, a economia de Roraima desanda", disse o presidente.

Bolsonaro afirmou ainda que a decisão foi tomada porque essa é uma fronteira “mais sensível”, mas que fechamento de fronteiras “não é uma solução mágica”.
Mais cedo, o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, disse que sua pasta já havia se manifestado favoravelmente. Ressaltou que o sistema de saúde da Venezuela já entrou em colapso e o estado de Roraima não capacidade de atender mais venezuelanos.

Ofício

Mais cedo, o senador Mecias de Jesus (Republicanos-RR) havia enviado ofício ao  procurador-geral da República, Augusto Aras, pedindo o fechamento das fronteiras do estado de Roraima com a Venezuela e Guiana por causa do coronavírus.

Mecias já tinha também feito o pedido ao presidente da República, Jair Bolsonaro, ao ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, ao ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, e ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. 

"Nossa expectativa do povo de Roraima é que o governo federal atenda nosso pedido e feche as fronteiras", afirmou o senador.

Ele explica que o estado, com 1.922 km de extensão de fronteira, enfrenta intenso fluxo migratório, tanto da Guiana Inglesa quanto da Venezuela. Outro problema, segundo o senador, é o frágil controle das fronteiras.

Para ele, a intenção não é criar pânico, mas sim que o governo olhe para Roraima, que já sofreu muita falta de assistência. Desde 2016, 656 mil venezuelanos entraram em Roraima. Com isso, o sistema de saúde do estado ficou sobrecarregado e não tem estrutura para atender todas as pessoas que já residem no estado.

"Nós não temos condições de suportar essa pandemia lá em Roraima, temos mais de 100 mil venezuelanos nas nossas ruas. O nosso sistema de saúde já está carcomido, já está ruim, se tivermos essa pandemia, se chegar o coronavírus com a força que ele chega em todos os países certamente será desastroso para o Brasil e para o estado de Roraima. Precisamos urgentemente fechar as fronteiras para que ela não entre em nosso estado e em nosso país", avaliou o senador.