Brasil Bolsonaro apoia Netanyahu com visita a poucos dias das eleições

Bolsonaro apoia Netanyahu com visita a poucos dias das eleições

Visita oficial do presidente brasileiro a Israel ocorre nove dias antes da votação e é sinal de apreço pelo atual primeiro-ministro

Bolsonaro apoia Netanyahu com visita a poucos dias das eleições

Bolsonaro ao lado de Netanyahu no primeiro dia da visita a Israel

Bolsonaro ao lado de Netanyahu no primeiro dia da visita a Israel

Debbie Hill / Pool via EFE - 31.3.2019

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, apoiou com uma visita oficial a Israel que começou neste domingo (31), faltando nove dias para as eleições gerais no país, o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, embora não deva cumprir a promessa de campanha de transferir a embaixada para Jerusalém.

Pouco depois de o titular de Relações Exteriores israelense, Israel Katz, anunciar no Twitter que o Brasil abriria "uma sede diplomática" em Jerusalém, Bolsonaro afirmou que a representação terá caráter comercial "para promover comércio, investimento, tecnologia e inovação".

Netanyahu agradeceu a decisão e considerou que este pode ser "o primeiro passo" para uma futura embaixada do Brasil em Jerusalém.

O presidente brasileiro tinha prometido durante a campanha levar a delegação diplomática de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo os passos dos Estados Unidos e contrariando o consenso internacional, mas teria cedido à oposição de parte do seu Executivo, que teme o afastamento de países árabes com quem o país tem fortes laços comerciais por conta da venda de carne halal (a permitida para consumo de acordo com a lei islâmica).

Entrosamento

"O Brasil é um país grande e riquíssimo, estamos muito perto do desenvolvimento, por isso cada vez mais nos aproximamos de países que estão alinhados conosco nas tradições, na cultura, na democracia e na fé em Deus", declarou Bolsonaro, em pronunciamento ao lado de Netanyahu.

O entrosamento entre os dois foi constante e a intenção de aproximar ainda mais as nações se concretizou na assinatura de seis acordos bilaterais em temas como segurança, aviação, ciência e tecnologia e saúde.

"Estamos no alvorecer de uma grande era nas nossas relações: Brasil, que é uma das maiores potências do mundo, e Israel, que é um país antigo, mas uma nova potência tecnológica importante", defendeu Netanyahu, após uma reunião de trabalho com Bolsonaro e sua grande comitiva.

A delegação presidencial inclui os ministros de Relações Exteriores, Ernesto Araújo; de Minas e Energia, Bento Albuquerque; de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes; e de Segurança Institucional, Augusto Heleno Ribeiro.

Visita em 2016

No comparecimento, Bolsonaro lembrou novamente a viagem que fez em 2016 a Israel, quando era deputado federal e foi batizado no Rio Jordão, e suas declarações tiveram um marcado caráter religioso.

"Cheguei aqui como se tivesse chegado em casa", ressaltou ele, que definiu a visita como um "casamento" que vai trazer muitos benefícios para ambos os povos.

Netanyahu, por sua vez, falou sobre a viagem que fez ao Brasil para participar da posse de Bolsonaro, quando "um novo caminho na relação" foi aberto.

"E depois de apenas três meses acontece a sua primeira visita a Israel para levar as nossas relações a uma nova fase", comemorou.

"Quero que saiba que tem aqui um povo que ama o Brasil e um país que quer uma cooperação muito próxima sob a sua direção", ressaltou o chefe de governo israelense.

Netanyahu recebeu Bolsonaro no aerorporto

Em um gesto especial, Netanyahu recebeu Bolsonaro pessoalmente no Aeroporto Internacional Ben Gurion, em Tel Aviv, e ofereceu um jantar em sua residência à noite.

O presidente brasileiro não tem agenda com autoridades palestinas, que condenaram o anúncio da abertura de uma representação comercial em Jerusalém, medida similar à feita por Hungria e República Tcheca.

Amanhã, o presidente brasileiro visitará à Basílica do Santo Sepulcro, um dos maiores símbolos do cristianismo, e o Muro das Lamentações, o lugar mais sagrado dos judeus, situado em Jerusalém Oriental ocupado, e que o sua equipe colocou como parte do programa oficial, gerando protestos da Organização para a Libertação da Palestina.

EM FOTOS: Bolsonaro é recebido por premiê de Israel em visita oficial de quatro dias