Brasil Bolsonaro aprova aquisição de vacinas por empresas particulares

Bolsonaro aprova aquisição de vacinas por empresas particulares

Presidente afirmou que o governo é favorável à compra de 33 milhões de doses do laboratório AstraZeneca; metade vai pro SUS

  • Brasil | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Bolsonaro declarou apoio à compra de vacinas por empresas particulares
  • Para imunizar funcionários, empresários negociam a compra de 33 milhões de doses
  • Vacinas viriam do laboratório AstraZeneca
  • Metade das doses que chegarem serão doadas ao SUS
Vacinas chegaram ao país nos próximos dias

Vacinas chegaram ao país nos próximos dias

DAN HIMBRECHTS/EFE - 24.01.2021

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (26) que o governo federal fechou um acordo com empresas particulares declarando-se favorável à compra de 33 milhões de doses da vacina contra a covid-19 do laboratório AstraZeneca. Metade dos imunizantes, desenvolvidos em parceria com a Universidade de Oxford, irá para o SUS (Sistema Único de Saúde), explicou ele.

"Semana passada nós fomos procurados por um representante de empresários e nós assinamos carta de intenções favorável a isso, para que 33 milhões de doses da Oxford viessem do Reino Unido para o Brasil a custo zero para o governo. E metade dessas doses, 16,5 milhões, entrariam aqui para o SUS e estariam então no programa nacional de imunização", disse durante a videoconferência do banco Credit Suisse na manhã desta terça. 

Saiba mais: Rede privada no Brasil não terá vacinas contra covid por enquanto

Bolsonaro afirmou que a outra metade das doses poderá ser aplicada nos funcionários das empresas. A medida foi tomada, diz, com o objetivo de estimular a economia do país.

O chefe do Executivo enfatizou que o fato de as 33 milhões de doses virem de graça foi essencial para a decisão do governo. Ele também criticou a imprensa por dizer que as empresas poderiam estar furando a fila da vacinação.

Guedes afirmou no mesmo evento que caberá às empresas assumir a responsabilidade pela vacinação. "É bom que seja uma vacina certificada pela Anvisa. E nós botamos também o setor privado ajudando nessa guerra. É evidente que isso é muito bom. Um lado [50% das doses] é retorno seguro ao trabalho, e o outro é dos desassistidos, para os invisíveis que o SUS vai cuidar também."

Tratamento precoce

Bolsonaro usou o evento para novamente defender o tratamento precoce para a covid-19, com o uso da hidroxicloroquina. Ele elogiou uma publicação do Conselho Federal de Medicina, que exaltaria a independência do médico e do paciente na prescrição de medicamentos.

"Quem decide o tratamento precoce é o médico. Ele pode, na ponta da linha, em comum acordo com o paciente, decidir o que vai receitar."

Disse que o número de mortes no Brasil caiu durante a primeira onda da pandemia graças "à preocupação e ao profissonalismo do médico brasileiro" e que a situação seria pior "se não fosse o tratamento off label, fora bula, feito lá atrás".

Últimas